segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Ocaso de uma etapa mágica

A prisão de João Santana completa uma conjugação de fatores que leva ao desmonte de um modelo em que o projeto de poder se sobrepôs a projeto de país.

O importante não era apenas agradar parte do eleitorado. Era preciso evitar desagradar para não perder votos. O marketing político elevou ao máximo a covardia política. Acuados os candidatos e políticos omitiam ou negavam as suas convicções. Depois de eleitos não faziam o que o marketing político "mandou dizer".

Como serão as novas campanhas políticas com o fim de era "Duda Mendonça/ João Santana"? 

Voltaremos ao  antigo modelo da "propaganda política"? O marketing político renascerá "transgênicamente modificado"?  Ou emergirá um novo modelo?

O importante é que as campanhas sejam feita em torno de diferentes visões e convicções, submetidas aos eleitorado para a escolha desse. É preciso superar as estratégias de esconder o que efetivamente o candidato ou o partido pensam ou propõe, para não desagradar parte do eleitorado. 

O que deve estar em jogo são alternativas de projetos de País, de Estado ou de Município. Não apenas um projeto de poder. 
 



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário