sábado, 27 de fevereiro de 2016

Uma disputa democrática com vencedores e perdedores

A regulação do zoneamento de uso e ocupação do solo da cidade de São Paulo foi aprovada pela Câmara dos Vereadores com participação da sociedade, envolvendo contendas democráticas abertas, resultando em vencedores e perdedores.

Os vencedores que preservaram os seus privilégios ou garantiram seus interesses comemoraram discretamente. Os perdedores se manifestaram mais amplamente, reclamando das "cotoveladas", dos acertos "debaixo do pano" das pedaladas do relator e de outras jogadas, inconformados pelos resultados.

Os diversos grupos de ativistas não conseguiram reunir adeptos suficientes para enfrentar o poder econômico do setor imobiliário. E ai reclamam da falta de participação popular. Significa que: a sua torcida não se mobilizou suficientemente. A torcida organizada é aguerrida e barulhenta, mas não consegue levar os demais para permanecerem pressionando ao longo de todo o jogo.

Em geral, as camadas de menor renda são mais presentes no acompanhamento e na pressão sobre o processo. Nesse a contenda maior foi da elite, dividida entre os querem manter rigorosamente a exclusividade do uso residencial nos seus bairros e os proprietários dos imóveis lindeiros a vias desses mesmos bairros que se tornaram vias de trânsito intenso. Estes últimos ganharam, no atacado, com a regulação das ZCORs (Zonas Corredores), ou seja, dos corredores de uso misto, dentro das ZERs (zonas extritamente residenciais) A disputa foi em relação a sua aplicação, caso a caso. 

O processo deixou claro que não existe a cidade  que nos (o conjunto todo dos paulistanos) queremos. Existe a cidade que eu -  ou nos (grupos específicos) - quero. E essa visão pode se contrapor a de outros. 

Para que as escolhas tenham ampla legitimidade precisam ser levadas ao processo eleitoral, envolvendo os candidatos a Prefeito, seus partidos ou base aliada. É preciso que as opções da "cidade que queremos" sejam explicitadas pelos candidatos e oferecidas à decisão dos eleitores.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário