quarta-feira, 22 de março de 2017

O lado feio do agronegócio

O agronegócio só toma conta das primeiras páginas dos jornais, capa de revistas semanais e o maior tempo dos noticiários de televisão quando envolvido em escândalos. 

O setor e o Brasil terão grandes prejuízos, com a irresponsabilidade da Polícia Federal, que fez e está fazendo um grande trabalho de combater a corrupção na Administração Pública.

Mas a forma de divulgação foi - ora amplamente reconhecido - um desastre de imagem. Pela seu estardalhaço e generalização, colocando fraudes cometidas por pequenos e médios frigoríficos com falhas cometidas pelas duas maiores empresas. Não há dúvida de elas cometeram irregularidades, pelos escalões menores.

Pode, no entanto, ter o seu lado positivo. A sociedade está sendo informada da importância do agronegócio brasileiro no mundo, com dezenas de países estabelecendo restrições às importações de carnes e derivados. Não é só a China. 

O setor reagiu mal aos acontecimentos, adotando posições defensivas e de repetição de chavões que a sociedade pouco aceita.

Ainda tem a oportunidade de fazer do "limão uma limonada". Deveria demonstrar a importância da cadeia de valor da pecuária brasileira para a alimentação do mundo, as sucessivas conquistas de mercado, os avanços tecnológicos. O que precisa ser mostrada é a seriedade do seu trabalho. 

Se não o foi totalmente anteriormente, tem que pedir desculpas públicas, mostrar o que foi feito ou está sendo feito para corrigir. 

O que a sociedade brasileira, os consumidores esperam das grandes empresas é um "desculpem a nossa falha". E no caso da JBF é que seus porta-vozes, Tony Ramos e Fátima Bernardes o façam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um bom ou mau projeto? (4) - Reindustrialização

Dentro da perspectiva de que o Brasil para se tornar um país desenvolvido precisava ter uma indústria própria. Até os anos 80 a indústria fo...