Pular para o conteúdo principal

Segurou a virada

Depois de uma queda na aprovação do Governo e na confiança do Presidente, logo após os 100 dias, mas ainda em vantagem, Bolsonaro tentou segurar ou evitar uma virada dos adversários, afastando os que pretenderam tutelá-lo e adotar uma série de medidas para cumprir as suas promessas de campanha. 
Adotou o preceito do "aqui quem manda sou eu". "Fui eleito por 58 milhões de votos e vou fazer o que eles votaram: doa a quem doer". "Quem não gostar, peça para sair".
Bolsonaro foi eleito Presidente da República, que é a autoridade máxima do Governo, mas não do Estado que tem, pelo menos, dois outros poderes. Os parlamentares foram também eleitos, no conjunto, com cerca de 100 milhões e não podem ser demitidos por uma "canetada" do Presidente. Também não são subordinados do Presidente e resolveram contestar as tentativas de usurpação das atribuições. 
O Presidente tem perdido sucessivas derrotas no embate com o Congresso e voltou a buscar no apoio popular a força para o confronto.


A recente pesquisa do IBOPE, mostra que Jair Bolsonaro mantém o apoio da sua torcida, variando o índice de bom/ótimo do Governo, para baixo, mas dentro da margem de erro. 
A tendência da série de pesquisas mostra uma contínua perda, não tendo conseguida a reação, com  o enfrentamento da oposição nas ruas e mobilizando os seus adeptos em movimentos de ruas, ambos com significativo volume de pessoas.
Apesar de voltar ao ataque não conseguiu fazer novos gols.
Já a defesa, apesar de sofrer um gol, conseguiu evitar outros e manter o jogo empatado. Consegiu segurar uma "virada" do oponente.

Mas o Presidente, pessoalmente, está em baixa e seu prestígio passou para o negativo. Partindo de uma expectativa de uma boa condução do Governo, de 46 pontos positivos (aprova menos desaprova a maneira como o Presidente está governando o Brasil?), manteve-se à frente, em abril, com 11 pontos positivos (51 - 40) mas chega em junho com 2 pontos negativos (46 - 48). 

Isso se reflete no índice de confiança do Presidente, que ainda era de 6 pontos positivos (51 - 45) em abril e virou negativo em 5 pontos em junho ( 46 - 51). Uma perda de 11 pontos.

O efeito político dos resultados da pesquisa está no comportamento do Congresso. Apesar do ativismo dos deputados do PFL e dos bolsonaristas no uso da rede social, com pressões diretas sobre os parlamentares, a maioria deles ainda se pauta pelas pesquisas de opinião. 

A leitura política é que Bolsonaro mantém o apoio da sua base, mas vem perdendo o apoio dos aderentes que tiveram a expectativa de um bom governo e da efetivação de grandes mudanças. 

A pesquisa indica uma crescente dificuldade para a uma concretização dos cenários de "Lua de mel, continuada" ou "Bolsonaro, Presidente efetivo". 
Para evitar o cenário radical do "Jânio ou Dilma", isto é, da renúncia ou impeachment", por mais que "esperneie", vai ter que aceitar o cenário "Rainha da Inglaterra". 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…