Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2016

Os entraves para as concessões de saneamento

É inegável a má condição do saneamento no Brasil, com milhares de áreas urbanas com o esgoto correndo a céu aberto, o despejo direto do esgoto nos córregos, rios e demais corpos d'água. 
Há necessidade de um grande esforço nacional para superar essa condição, porém não há consenso entre os agentes reais da economia e da sociedade. 
De um lado o setor organizado do saneamento estabeleceu o paradigma de que a solução dos esgotos está na coleta domiciliar através de redes coletoras.

Por outro lado os usuários buscam soluções alternativas, em dois segmentos diametralmente opostos: o segmento mais rico, tem buscado a solução de moradia condominial, seja vertical como horizontal e prefere soluções locais para o tratamento de esgotos.

PPI (6)

Um empresário ou investidor interessado em obter uma concessão de serviço público precisa pré-investir, correndo riscos de perdas em momentos diferentes: 
de menor prazo, se a partir de gastos com estudos da concessão, ele desiste de concorrer. São gastos relativamente pequenos;de curto prazo, se investe em gastos maiores com estudos mais aprofundados, reuniões, viagens e outros gastos para composição de um consórcio e preparação de proposta e perde a licitação da concessão;de médio prazo, quando vencedor da licitação, paga os eventuais encargos, como o valor da outorga exigida, começa a investir em obras e equipamentos e não consegue obter as receitas esperadas, dentro dos prazos previstos;continuado no médio prazo, se os custos operacionais na prestação dos serviços forem maiores do que os previstos, os valores das amortizações do investimento ou do financiamento forem maiores e a receita efetiva menor. As perdas seriam registradas e demonstradas nos balanços periódico…

Fracassos e sucessos da estratégia de "campeãs nacionais"

Com a crise da Oi, reemerge o tema "campeães nacionais" com severas críticas ao que teria sido a estratégia desenvolvida pelos governos do PT de campeãs nacionais. Embora a Oi, tenha tido origem ainda no governo FHC, no bojo da privatização das telecomunicações brasileiras.

A ideia das campeãs nacionais foi ampliada e distorcida. E foi usada para fins escusos.

Não foram só fracassos. Há sucessos. Nem tudo são espinhos. Há flores, mas o que machuca são os espinhos. Mas algumas das belas flores cheiram mal. 

Uma empresa nacional bem sucedida no exterior foi a Construtora Norberto Odebrecht, transformada num grande grupo multinacional, com inúmeros contratos no exterior. Contratando equipamentos e serviços brasileiros. A Operação Lava-Jato demonstrou que esse sucesso foi alcançado com amplo apoio governamental, dentro de uma parceria nada republicana. É a campeã nacional da corrupção.

A maior distorção, no entanto, foi a política de apoio governamental a grupos naciona…

Tudo junto e mal misturado

Os economistas aprenderam a transformar cada fato real num número e juntá-los, formando um conjunto numérico do qual tiram a média para caracterizá-lo. 
É forma sofisticada do "tudo junto e misturado", o que leva verdades globais a se tornarem falácias  setoriais.

Um caso recorrente é o da ineficiência da infraestrutura, apontado recorrentemente como um dos principais fatores que prejudica a competitividade do país. Seria responsável pela crise econômica e os investimentos naquela seria a solução para vencê-la.

Junta-se num pacote só as estradas, usinas elétricas, aeroportos, saneamento, transforma tudo em números e compara com números de outros países e verifica-se que nos rankings mundiais de competitividade e infraestrutura o Brasil está na rabeira das listas. 

Mas na realidade existem situações ótimas e péssimas. Juntando tudo e misturando resulta numa média medíocre. 

A indústria brasileira está ainda concentrada em São Paulo. Se essa não é competitiva mundialmente …

Dinâmica urbana (1): opinião publicada e não publicada

A opinião publicada, ou seja, aquela que frequenta cotidianamente a mídia, ocupa a cidade formal e tem o mercado imobiliário como o principal responsável pela construção ou reconstrução da cidade.

Só que essa parte da cidade não significa mais que 20% do total. 
A maior parte da cidade é construida diretamente pelas famílias, com as suas parcas poupanças, mas que, no conjunto, concorrem com a produção do mercado imobiliário.
E os seus moradores constituem a opinião não publicada, que não está presente na midia e, por isso, é invisível para a opinião publicada.
Mas nas eleições  ela vota e pode mudar os resultados esperados pela opinião publicada. Como acabou de acontecer na Grã Bretanha.

Significa que o responsável direto pelo crescimento desordenado da cidade, gerando problemas como os congestionamentos no trânisto, não é o mercado imobiliário. Embora tenha um papel indireto decisivo. É ele quem promove, impulsiona ou acelera a valorização imobiliária que cria a barreira para a ocupação d…

PPI I5)

Com as novas regras para a estruturação de projetos destinados à concessão de infraestrutura o Governo está restabelecendo a prática usual - em âmbito internacional - de contratar previamente os estudos e projetos.


A MIP - Manifestação de Interesse Privado é mais um caso do "jeitinho" brasileiro para contornar dificuldades. Solução aparentemente simples para resolver problemas complexos. Não deu certo. Os interessados nas concessão não confiaram nos estudos elaborados por esse regime. E as licitações deram vazias ou fracassaram. Muitas delas nem foram colocadas "na rua".

As licitações para concessão não tem o mesmo caráter da licitação para execução de uma obra específica. No contrato de obra, caso haja um eventual atraso por falta de licenciamento ambiental, o contratado pode reivindicar os reajustes previstos ou até mesmo aditivos de prazos e valores. 

No caso da concessão, se a responsabilidade do licenciamento for atribuída ao concessionário ele terá que arc…

PPI (4)

As concessões de serviços públicos são concessões para prestação dos serviços, antecedidos por obras que deem suporte físico aquela prestação.

As concessões rodoviárias - as primeiras a serem estabelecidas a partir da redemocratização - estabeleceram os paradigmas das concessões, com todas as suas distorções.

Nas concessões rodoviárias o investimento inicial é o elemento mais importante e das receitas futuras a maior parte deve ser destinada à amortização dos investimentos. 

No jargão do mercado, o CAPEX (capital expenditure) é mais importante do que o OPEX (operation expenditure). Em todas as demais concessões ocorre o inverso. 

A concessão, como negócio é de prestação de serviços, suportada por grandes ativos físicos. A competência principal requerida para o sucesso do empreendimento está no serviços. O concessionário precisa ser um bom prestador de serviços.

As concessões envolvem investidor e empreendedor.


Investidor e empreendedor nem sempre se confundem numa mesma pessoa. Empreendedor…

Imaginário popular e o publicado

O imaginário popular percebe a carestia e cria as suas explicações. Para o consumidor popular é tudo uma questão de especulação e ganância dos comerciantes e produtores que remarcam constantemente os preços. O vilão é a famosa maquininha de remarcar os preços.
O imaginário publicado trata o mesmo fenômeno como inflação e influenciado pelos "especialistas" vê o "dragão da inflação". E está esperando que o São Jorge Meirelles vá conseguir derrotá-lo. 
Para os "especialistas" tudo se resume no controle dos gastos públicos. O que enfrentaria uma forte resistência dos políticos.
A questão básica é se a contenção da carestia vai conter a inflação ou se é a contenção da inflação que vai conter a carestia. É a tradicional "ovo ou a galinha?".
Carestia é um problema real. Não é imaginário. Está presente de fato no dia a dia das pessoas. Já a inflação é uma construção estatística. E gera o mega imaginário popular. É um Brasil - figura imaginária - gerando uma…