Pular para o conteúdo principal

Um milagre mistificado

As despesas com a previdência representariam o maior item do déficit público, com tendência de crescimento inexorável, pela maior sobrevivência das pessoas e das regras estabelecidas.
"Se nada for feito" a continuidade dessa tendência geraria um colapso nos serviços públicos. Uma primeira consequência seria a redução dos investimentos públicos, o que já é realidade. Na sequência viriam as reduções nos serviços de educação, saúde, segurança e outros, também já parcialmente prejudicados atualmente. Mais adiante, não haveria recursos públicos para honrar as aposentadorias e pensões, tanto do setor público como do setor privado, a do INSS. Como já ocorreu no Rio de Janeiro. Outros Estados para evitar o colapso já passaram a parcelar os salários e alguns, no meio do ano, ainda não completaram o pagamento do 13º salário do ano passado.
Para combater essa tendência as autoridades econômicas formularam uma reforma da previdência, estabelecendo um número mágico: uma economia, em 10 anos, de um trilhão de reais. 
Prometeram ao mercado esse valor, considerando-o como o marco para restabelecer a confiança dos agentes econômicos e, com isso, retomar o crescimento da economia. Gerando uma crença quase religiosa. Com uma economia de um trilhão de reais a economia voltaria a crescer em ritmo elevado. Sem a aprovação, a economia voltaria à recessão. Se aprovado "desidratado" ou seja, com modificações da proposta original, com reduções na economia prevista, a economia se sustentaria, ficaria estável, mas sem melhoria significativa.
Para garantir o piso de um trilhão de reais as autoridades econômicas incluiram o corte de outros benefícios sociais, que nada tem a ver com o sistema previdenciário. Como a redução do limite para o trabalhador ter direito ao PIS/PASEP. Foram os "bodes mal cheirosos" para serem retirados, sem prejudicar a meta do um trilhão.
Com o Presidente acatando a reforma proposta pelo seu  Ministro da Economia, Paulo Guedes, mas sendo pessoalmente contra, pouco ou nada fazendo para a sua aprovação no Congresso, a Câmara dos Deputados, sob a liderança do seu Presidente, Rodrigo Maia, assumiu o comando do processo para a sua aprovação. 
Indicou uma "dupla dinâmica" para Presidir e Relatar a PEC, dentro de uma Comissão Especial, após passar pela Comissão de Constituição e Justiça - a CCJ , que costuraram sob sua orientação uma proposta consensuada  entre os favoráveis a uma reforma da previdência. 
A proposta original da reforma da previdência foi desidratada, com a retirada de alguns "penduricalhos" já colocados, como negociação, e outras concessões, para atender aos deputados despachantes de interesses corporativos. 
As corporações com representação política mais fraca ou que confiaram na intervenção do Presidente da República a seu favor, acabaram não tendo aceitos os seus pleitos, considerados privilégios. 
Com a proposta original desidratada e a economia reduzida a menos de 800 bihões de reais em 10 anos, o relator promoveu uma nova "contabilidade criativa" e com a reposição de uma contribuição dos bancos que havia sido reduzida e a realocação da destinação de recursos do PIS/PASEP, voltou ao trilhão prometido ao mercado.
O mercado, sabido, percebeu a manobra mas a aceitou - resignadamente - dentro da perspectiva de que melhor uma reforma desidratada do que nenhuma. Já a sociedade, mais incauta, aceita e acredita que está sendo aprovada uma reforma da previdência, com um ganho de um trilhão de reais, em 10 anos. Sem perceber - claramente - de quem será o ganho e quem vai pagar.
Com a aprovação do projeto da PEC desenhada pelo Relator, com ampla vantagem, a perspectiva de curto prazo é que seja aprovado em plenário, antes do recesso parlamentar. 
Aprovado em plenário terá que ir ao Senado, para mais duas votações, com grande probabilidade de sofrer alterações e ter que voltar à Câmara dos Deputados. A principal alteração deverá ser a reinclusão dos Estados e Municípios da PEC. 
Mas deverá ser aprovada, com a narrativa de uma "economia de um trilhão em 10 anos". Não será comprovável. Mas como o objetivo é psicológico, o importante  é que seja "engolido" pela sociedade.
Será, superando um ambiente de pessimismo, mas não gerará o ambiente de otimismo. Será o necessário, mas não suficiente. A sociedade e o mercado cobrarão novas medidas para que a economia volte a se movimentar.

(cont)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…