Pular para o conteúdo principal

Trajetórias do primeiro mês

O primeiro mês de Governo é ainda pouco para caracterizar as suas trajetórias, tendo como balizamento os cenários previamente desenhados.

O cenário lua de mel prolongado parece estar comprometido pelas circunstâncias e pelas estratégias definidas para enfrentá-las.
Ainda na cerimônia de posse, o Presidente foi favorecido por um ato da sua esposa, fazendo um simpático discurso em Libras, ampliando o apoio popular. Ele manteve, nos dois discursos, uma postura de candidato, com discursos de palanque voltado para os seus eleitores e adeptos. As pesquisas de opinião apontaram expectativas e apoios elevados.
Não houve, ao longo dos primeiros 25 dias, significativas medidas  governamentais, seja por ação efetiva, ou por edição de decretos ou medidas provisórias. Como o Congresso ainda está em recesso e não houve convocação extraordinária, não há ainda reformas constitucionais ou novas leis.
Dois atos importantes foram editados: o decreto de flexibilização da posse de armas e a Medida Provisória para maior rigor na fiscalização e combate a fraudes na Previdências Social, ambas prometidas na campanha. 
O decreto de posse das armas, "deu empate": os apoiadores não ficaram satisfeitos, por acharem brando demais. Os opositores reclamaram, como reclamariam, qualquer que fosse a amplitude. O único dado importante é caracterizar um Governo que cumpre as promessas, ainda que parcialmente.
O outro decreto é preparativo para a Reforma Previdenciária. Estabelece medidas mais duras contra os sonegadores, fraudadores e inadimplentes para se antecipar aos opositores da reformas de que não existiria déficit na Previdência, se essa fosse mais eficiente nas cobranças. Teve, pouco impacto popular.
Complementarmente, dois decretos tem relevância externa ao Governo: a regulamentação dos benefícios fiscais para o Norte e Nordeste e as mudanças na lei de acesso à informação.  O primeiro, uma herança do Governo Temer, teve mais repercussão pela trapalhada do Presidente que anunciou uma medida, desmentida pelos sua equipe econômica.  O segundo faz parte do confronto do Governo com a mídia tradicional. Os demais regularam as mudanças na organização governamental.

No campo das nomeações, dois dados foram significativos, indicando uma tendência: a ampliação da participação de militares, dentro do Governo e um primeiro choque entre os grupos internos de influência. Embora tenha sido um choque dentro da mesma ala, caracterizaria uma dissenção que pode se ampliar no futuro.

Essa ala é clã Bolsonaro, formado pelo patriarca, o atual Presidente e três filhos políticos. Eles se assumiram como detentores do poder, embasados nos seus milhões de votos, tanto os do pai, como deles mesmos, com manifestações polêmicas e públicas, supostamente, em nome do pai, vetando indicações e designando outros para Ministérios. 

O caso aqui já citado da indicação do Presidente da APEX, por Eduardo Bolsonaro, antecedido pela permanência da entidade no âmbito do Ministério das Relações Exteriores, e demitido pelo Ministro, também designado por influência de Eduardo Bolsonaro, pode ter sido um episódio avulso, ou a indicação de um procedimento típico do "padrão Bolsonaro".
Ernesto Araujo teria demitido Alex Carreiro, o apadrinhado de Eduardo Bolsonaro, contrariando o seu também padrinho. Alex tentou resistir, mas não teve o apoio do seu padrinho e "acabou na chuva". Pode ter sido resolvido com sacrifício de Alex, para não ampliar uma eventual crise interna. Mas pode ser também um procedimento padrão, que tem um antecedente na marginalização do ainda Senador, até o final do mês, Magno Malta. 
Convidado, inicialmente, para ser o vice-presidente da campanha, e principal "papagaio de pirata" do candidato Bolsonaro, não ganhou nenhum Ministério ou cargo relevante. Supostamente por ter cometido um deslize, ou segundo o palavreado politicamente incorreto da nova turma por ter "mijado fora o penico". 
Se foi um acidente pontual, vai ser esquecido, mas se foi um procedimento padrão, terá reflexo importante no caso de Flávio Bolsonaro, o primogênito do Presidente. Para efeito dos cenários futuros, o caso Bolsonaro/Queiroz é o mais relevante.

(cont)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.