Pular para o conteúdo principal

A quarta revolução industrial é uma falácia

A dita 4ª Revolução Industrial, amplamente alardeada em todo o mundo, não é industrial, tampouco a quarta. 

Na evolução da indústria (no sentido estrito) mundial, um marco importante foi a associação fordista-taylorista, com a produção em massa e o estabelecimento da linha de produção, incorporada ao imaginário popular por Charles Chaplin. Para alguns determina a 2ª Revolução Industrial. E se sustenta ainda hoje. Incorporando todos os avanços da tecnologia da informação ao conceito básico.

Um elemento negligenciado dessa revolução é uma famosa frase de Henry Ford: "você pode comprar qualquer carro desde que seja um T29, preto". Ou seja, você compra o que eu produzo, não o que você quer. Ou mais, o que você quer não existe: porque eu não o produzo.

Embora esse conceito ainda remanesça entre muitos industriais, a revolução ocorreu nos fins dos anos setenta e emergiu nos anos oitenta com o "toyotismo". Foram várias alterações substanciais, iniciadas em diversos países, mas consolidado pela Toyota que emergiu como uma das maiores montadoras de automóvel, com o seu carro vencedor: o Corolla.

Duas alterações conjugadas foram as mais importantes: o conceito do "on demand", ou seja, sob demanda, a pedido e a redução do tempo entre a concepção e a colocação do carro no mercado. 

O automóvel tinha que ser produzido em massa, com economia dos custos fixos, de forma padronizada. A produção "sob medida" (ou taylor made) era improdutiva e cara. Tinham que ser produtos artesanais.

A Toyota buscou soluções para a compatibilização entre a produção em massa e a personalização. Foi apenas o início, desenvolvido - posteriormente - pela demais montadoras, com a automação industrial, gerando a possibilidade de lançamento de inúmeros tipos e marcas de carros, produzidos em massa, mas com diferenciações. O carro personalizado, desejado pelo comprador, sai direto da linha de produção.

Só foi possível graças à automação industrial, o uso intenso de tecnologia e máquinas. Promoveu uma ampla substituição do trabalho humano pela máquina. Mas a expansão da atividade gerou mais empregos do que as perdas. Com novas qualificações, com novas funções, mas com amplo uso do trabalho humano.

A grande transformação não foi a substituição total do trabalho humano, mas a conjugação homem-máquina. Dai a necessidade de qualificação. O que é diferente de "reciclagem" que é a capacitação do trabalhador para outras funções muito diferentes daquelas do trabalho extinto.


A atividade industrial pode ser desdobada em três grandes categorias: a da transformação, a da "montagem" e a da manufatura.

A primeira envolve - principalmente - a transformação de um bem natural (uma matéria prima) num insumo da cadeia produtiva industrial. Pode ocorrer por processos químicos que transformam a estrutura molecular e geram novos produtos, como por processos físicos que transformam a sua forma.

Os mais conhecidos são a transformação alimentar, como o da cana de açúcar transformada em açúcar ou etanol, o da siderurgia que associa ferro e carvão, para transformação em aço, ou do refino de petróleo, gerando gasolina, óleo diesel e outros. Inclusiva a nafta que vai servir para novas transformações na petroquímica.

Essa indústria envolve inovações tecnológicas constantes, para melhor ou maior utilização das matérias primas (como o caso do etanol de 2ª geração, com a transformação do bagaço da cana) e a automação industrial para automatizar mecânicamente os processos de transformação. Com redução e até extinção - em alguns casos - do trabalho humano. 

A segunda categoria é da produção industrial por sucessivas agregações de elementos ou partes, para montar um produto final, previamente projetado. O mais notório é o automóvel, mas envolve produtos com pequenos volumes de partes, como a fabricação de moveis, ao avião. Este envolve milhares de partes.

Dentro dessa categoria emergiram os aparelhos com elevado conteúdo de tecnologia da informação. Embora sejam um produto de montagem, o mais importante é o chip que recebe, processa e transmite informações. São o caso dos computadores - sejam os pessoais ou de grande porte - como os smartphones e demais equipamentos de telefonia. 

Nessa categoria a automação industrial  domina grande parte do processo produtivo, mas não dispensa o trabalho humano em diversas das suas fases, mas principalmente nas finais.

Uma terceira categoria de produção industrial é da transformação do insumo industrial (ou da própria matéria prima) em formato desejado pelo consumidor. Baseado no formato desenhado ou "mentalizado". É o caso típico da atividade de vestuário que envolve desde grandes produções industriais em massa, como a manufatura artesanal. É ainda a atividade industrial que mais emprega o trabalho humano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.