terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Lulismo (6) - petismo sem lulismo

O PT conta atualmente com três facções: uma ideológica, outra corporativo-sindical e o lulismo.

A facção ideológica é formada por adeptos mais ilustrados, em geral de maior renda, com posições baseadas em teorias. São anticapitalistas e defendem a igualdade social. São contra as discriminações sociais. 

A facção corporativo-sindical representa uma classe profissional ou categoria de empregados. Os representantes (deputados eleitos) ou militantes defendem os direitos conquistados, mesmo encontrando resistência da sociedade, inclusive da facção ideológica. 

O lulismo é personificado por Lula e não tem base teórica. 

Não é anticapitalista. Quer que os pobres também se integrem no sistema econômico. Que possam usufruir dos benefícios do que produz.

O lulismo é ascensão social. Não apenas como proposta, mas como exemplo de vida.

O lulismo elege, como elegeu dois Presidentes da República e ainda promoveu a reeleição dos mesmos.

O lulismo é que dá sustentação ao PT para ser um partido de esquerda diferenciado dos demais. Tem uma capacidade de sedução e de mobilização do povo, que os demais não tem. 

Sem Lula, ainda resta ao PT o lulismo. Mas que irá se esvanecer sem um herdeiro à altura. Um herdeiro que tenha a mesma trajetória de vida. 

O PT não conta com esse herdeiro e se não o encontrar a tempo, vai seguir ladeira abaixo, como já ocorreu em 2016. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...