Pular para o conteúdo principal

O novo papel dos militares

Em 1964 os militares deram um golpe de Estado para assumir o poder, permanecendo até 1985, sempre sob a presidência de um general e sob um regime autoritário que deixou marcas profundas. A principal é de um regime ditatorial, com supressão das liberdades individuais, com prisão, tortura e mortes do que consideravam inimigos do regime: militar no governo é associado à ditadura.
Segundo historiadores o golpe de 64 foi dado para interromper um processo de "esquerdização" do pais, iniciado por outro golpe militar: o de 1930. liderado pelo então tenente Getúlio Vargas. Com alternâncias, mas em 64, dominante com a presidência de João Goulart, afilhado político de Vargas.
O retorno dos militares ao Governo se dá agora em 2019, a partir da eleição democrática de um ex-capitão reformado há 30 anos, com características populistas que canalizou o descontentamento da população brasileira com os rumos da política brasileira e com os governos petistas.
Eleito, com um ideário de direita e intensa oposição verbal contra o PT, que tentava voltar ao poder, formou um gabinete predominantemente de generais reformados, ao qual se soma o Vice-Presidente, General Mourão, constituindo o que a mídia caracteriza como ala militar.
Na montagem ministerial, Bolsonaro delegou a dois superministros as áreas estratégicas do seu Governo: a economia e o combate ao crime, e reservou para si, o comando direto de 4 Ministérios, todos afinados com o seu ideário. Dois, mais ideológicos, sob comando do seu filho Eduardo, representando o suposto guru da família, Olavo de Carvalho, um terceiro associado aos evangélicos e o quarto, um "livre atirador". Todos com discursos anti políticas e concepções petistas. Os demais ficaram soltos ou sob o comando da ala militar.
Com a esquerda amplamente derrotada e sem rumo, o maior problema do Governo não está em "remover o entulho petista", mas em controlar os arroubos da ala direitista, que ocupa o Ministério da Educação e das Relações Exteriores. 
Este está sendo o principal papel da ala militar dentro do Governo Bolsonaro. É um papel de contenção das ações da direita radical dentro do Governo, sob inspiração de Olavo de Carvalho.
E um papel moderador, mas no sentido de moderar ações ou manifestações mais radicais. Com o que acaba por entrar no jogo.
O Vice-Presidente, General Mourão, por ter maior independência e uma personalidade mais aberta, falando o que pensa, acaba por ser o porta-voz informar da ala militar e o adversário explícito da direita radical.
Como estrategistas tem paciência para esperar que os Ministros oponentes de desgastem pelo seu próprio radicalismo e ai pressionar para a saída. 
O Ministro da Educação será a primeira vítima, mas Ernesto Araujo também esta na linha de tiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…