segunda-feira, 25 de março de 2019

Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega

Jair Bolsonaro foi eleito nacionalmente pela predominância da nova política. Mas o Congresso, eleito estadualmente, continuou sendo eleito pela velha política. 
Para aprovar a Reforma de Previdência precisa negociar com os despachantes de interesses comunitários ou corporativos, que dominam o Congresso. 
Se continuar recusando essa negociação em nome da nova política, a Reforma da Previdência não é aprovada e perde popularidade junto ao mercado e parte da população. Fica enfraquecido e mais sujeito às pressões para sua saída.
Se aceitar negociar com os despachantes, ainda que através do próprio Congresso, mas dependente de decisões do Executivo, pode aprovar a Reforma da Previdência, mas seus eleitores e adeptos sentir-se-ão traidos, retirarão o apoio e Bolsonaro, igualmente, ficará enfraquecido.
A sua saída será pedir para sair. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...