terça-feira, 24 de novembro de 2015

Coitada de Mariana

Dentro das condições atuais do mercado, com o minério de ferro caindo a patamares abaixo de 50 dólares, não haverá interesse dos controladores, tanto a Vale, como a BHP em retomar a exploração das minas em Mariana.

Mariana vai ficar sem a sua principal fonte de empregos e de renda. 

Assegurar a sustentabilidade econômica e social de Mariana deve ser a prioridade das indenizações e destinação das multas aplicadas à Samarco.

Cuidar da sobrevivência da população de Marina é mais importante do que dos peixes do Rio Doce. Ainda que esses sejam fonte de renda de muitos pescadores ao longo do rio. 

Mas os peixes tem muitos adeptos. O povo de Mariana apenas com a solidariedade de alguns que vai acabar logo. 

A solidariedade é com os impactos momentâneos da tragédia, não com a continuidade econômica e social dos efeitos da tragédia sobre as pessoas. 

Há um confronto entre a visão biocêntrica e  a antropocêntrica.    A biocêntrica tem mais visibilidade e impacto de maior amplitude. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...