Pular para o conteúdo principal

Falta projeto de nação? - uma narrativa

Acadêmicos que só conhecem o Brasil pelas narrativas dos livros reclamam da falta de projetos nacionais ao longo da história do Brasil.

O fato de não haver nenhum documento formalizado com a denominação de projeto nacional, não significa que o país, pelos seus agentes econômicos e sociais não tenham se pautados por um projeto.

O viés decorre de uma confusão de conceitos: é ver projeto nacional como projeto de Estado. Isto é, comandado pelo Estado, mediante planejamento, condução e implantação estatal.

Neste sentido, não se aceita um projeto nacional liberal. Seria uma contradição intrínseca.

Mesmo nessa visão podemos identificar na história brasileira recente, 4 "projetos" que foram implantados, desenvolvidos e consolidados ao longo de muitos anos. Ainda que alguns tenham já alcançada a fase de esgotamento e decadência.

Getúlio Vargas estabeleceu o projeto de industrialização fordista/taylorista com a defesa das condições do trabalho e dos trabalhadores.  O modelo de industrialização inteiramente voltada para o mercado interno está em decadência, mas o sistema de "direitos trabalhistas" cresceu e resiste bravamente. Os principais agentes seriam e foram as estatais.

Juscelino reforçou a industrialização voltada para dentro, mas fez abertura para o capital privado, inclusive nacional, mas incentivado e protegido pelo Estado. Mas lançou as bases para a ocupação do vasto território nacional acima do paralelo 16, ainda vazio.

Geisel  creditou à indústria voltada para dentro a condição de transformação do Brasil em potência econômica, sustentada pela completa autossuficiência energética. Nessa incluída os combustíveis.

Os projetos tiveram custo financeiro muito alto, gerando endividamento e inflação. E governos subsequentes tiveram que adotar medidas circunstanciais para "arrumar a casa" e deixar o desenvolvimento a cargo do mercado.

Até mesmo FHC, de formação cepalina e estruturalista, acabou cedendo à concepção do projeto liberal, com a redução do papel do Estado.  Na visão brasileira, sem projeto do Estado não existe projeto de Nação.

O PT, com Lula e Dilma, lançaram e implantaram um projeto mais diversificado, com o objetivo de promover um Brasil mais justo, voltando a reforçar a intervenção estatal. De uma parte implantaram e consolidaram os programas sociais, iniciados nos governos anteriores em atendimento ao projeto nacional inserido na Constituição de 88.

De outra deram sobrevida à industrialização voltada para o mercado interno, mediante estímulos - alguns artificiais, ao desenvolvimento do mercado interno de consumo e investimentos - e de benefícios diretos às empresas aderentes ao projeto petista. Que se mostrou ser um projeto de poder e não um projeto de nação.

Mais uma vez a tentativa de implantar um  projeto nacional estatizante resultou em desequilíbrio das contas públicas,  elevação do endividamento e recrudescimento da inflação. O que tornou inviável a sua continuidade.

A industrialização voltada para o mercado interno, sob intensa proteção estatal, promovida por Vargas e que foi também o suporte dos projetos posteriores está em colapso e é a origem da crise supostamente circunstancial: é estrutural.

A crise é de um projeto nacional baseado numa industrialização que ficou defasada em função das mudanças mundiais e com pequena possibilidade de recuperação.

O Brasil precisa buscar novos caminhos, 60 anos depois. Depois de um projeto que deu certo, mas não se sustentou.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…