Pular para o conteúdo principal

Para que serve o rodízio de veículos?

O rodízio de restrição de uso do veículo motorizado, por dia da semana, segundo os algarismos finais da chapa - como implantado em São Paulo - é uma medida interessante e necessária para melhorar a mobilidade urbana.
Porém o seu objetivo principal não deve ser a redução da circulação de veículos em eixos ou áreas de maior fluxo. Esse objetivo se esvai em pouco tempo. Principalmente em tempos de aplicativos que facilitam o uso de um segundo carro, apenas para "driblar" o rodízio, sem necessidade de aquisição de um veículo adicional. Custa muito menos. 
Deve ter o objetivo de induzir a transferência do uso do carro (o modo individual de transporte) para o uso do transporte coletivo. Dentro desse objetivo, o rodizio só deveria ser aplicado em eixos bem servidos por transporte coletivo de média e alta capacidade e qualidade. Vale dizer, metrô, VLT e eventualmente o trem urbano e o BRT. Não o ônibus comum, mesmo em corredores não segregados ou faixas preferenciais. 
A experiência de São Paulo mostra que esses objetivos não são sustentáveis.

O rodízio deve estar inserido numa estratégia maior de redução dos deslocamentos, com a maior aproximação das funções urbanas, principalmente casa-trabalho e casa-escola. Os dois principais motivos de geração de viagens urbanas.

O segundo já vem sofrendo grande mudanças, parte favorável à mobilidade urbana e parte desfavorável. Nas viagens para as escolas de primeiro e segundo grau, a maior descentralização das escolas, fez com que o deslocamento a pé se tornasse o predominante. Já no ensino superior, a expansão das faculdades privadas, com cursos noturnos, para atender aos jovens que trabalham durante o dia, ampliou substancialmente o volume de deslocamentos motorizados, no final da tarde e ampliou os horários de maiores fluxos, gerando até um novo pico: o dos horário de saída dos cursos noturnos.

O maior impacto que o rodízio pode ter é o de gerar ou desenvolver novos polos urbanos, mais integrados nas funções urbanas, reduzindo os volumes relativos de deslocamento. Além de facilitar o uso de transporte não motorizado.

Para isso o rodízio funcionaria com o sentido de favorecer o desenvolvimento de áreas sem restrições. Mas para que não haja simplesmente a transferência dos congestionamentos de uma área para outra, é preciso planejar a longo prazo as condições para favorecer as mudanças.

(cont) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…