sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Perspectivas do mercado de construção de edificações

O setor da construção civil é fortemente vinculado ao mercado interno, uma vez que não exporta o seu produto fínal que é um imóvel.

Se o mercado interno fraqueja, em função da retração de renda dos consumidores o setor também se retrai.

A crise atual do setor está agravado pelos benefícios artificiais concedidos ao longo dos últimos 10 anos.  Embora nem o setor, tampouco o Governo queiram reconhecer, na realidade, há um estouro de uma bolha imobiliária.

Esses benefícios foram a ampliação do crédito imobiliário a taxas de juros favorecidas e enormes subsídios para viabilizar o acesso da população de renda baixa ao grande sonho da "casa própria". 

Com o recrudescimento da inflação a caderneta de poupança,  teve os seus saldos reduzidos, implicando na redução da disponibilidade de recursos para os financiamentos imobiliários. Com a elevação da taxa básica de juros, as taxas de financiamento imobiliário também aumentaram, gerando uma retração na demanda. Com o ajuste fiscal as verbas para o subsídio habitacional teve que ser parcialmente contingenciado. Em função dessa pendência o Governo tem adiado sucessivamente o lançamento da 3a fase do Minha Casa, Minha Vida.

O setor da construção civil não tem condições de alavancar a retomada do crescimento econômico e fica dependente desse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...