sábado, 22 de agosto de 2015

Uma avaliação estratégica

O "Palácio do Planalto" usando a mídia, mas principalmente a Rede Globo, no mínimo foi ingênuo acreditando que Eduardo Cunha, diante da denúncia do Procurador Geral da República fosse renunciar ao cargo. Para o bem do Congresso e do Brasil.
Alimentou a mídia com um suposto enfraquecimento político de Cunha e a rebelião de deputados requerendo o seu afastamento imediato da Presidência. Patrocinou movimentos de rua pelo "Fora Cunha".
Só Dilma não acreditou porque sabe que Cunha é seu colega. Não vai (ou reafirma sempre) que não vai renunciar. 
Ontem já começou o esvaziamento do "Fora Cunha", para decepção da mídia e da sociedade organizada. Depois do final de semana, Cunha poderá voltar mais forte, manobrando os novos ataques ao Planalto. E fortalecendo o "Fora Dilma", mais que o "Fora Cunha".
O que vai valer são as consultas às respectivas bases que os deputados federais vão fazer no fim de semana prolongado (o deles que sempre vai até a segunda feira). A terça feira será a data chave para avaliar os rumos subsequentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...