Pular para o conteúdo principal

A nova plumagem tucana

João Dória Jr representa a emergência de uma nova centro-direita, que tem como base eleitoral uma classe média jovem moderna. Ela sai às ruas e tem como principal bandeira a contestação aos políticos tradicionais - todos caracterizados como "ladrões" - e tem a adesão da classe pobre "imobilizada". Isto é da classe pobre que não sai às ruas por política, a não ser no dia a eleição.


Dória Jr foi o precursor dos grandes movimentos de rua da classe média, ao liderar, cerca de 10 anos atrás o movimento "Cansei". Não teve grande êxito, a sociedade estava encantada com a nova liderança, vinda da classe operária, com ações inovadoras.  Ainda era cedo.

Em 2013 os "novos cansados" foram às ruas.

Não foram eles que começaram. O começo foi por um pequeno grupo de jovens de esquerda, contra o aumento da tarifa dos transportes coletivos públicos. O início confundiu a percepção dos fundamentos do movimento. No seu subsolo, alimentando as raízes estava a contestação ao quadro político percebido como tomados pela corrupção.

A coligação que liderou os movimentos anti-ditadura que promoveram a redemocratização se cindiu - após a vitória - gerando uma tricotomia que está chegando ao fim. A era do grande embate entre o PT e o PSDB, a cisão da esquerda do movimento e do PMDB controlando o legislativo. Este chegando ao poder, sempre de forma indireta.

Em 2014 a jovem classe média paulistana, por iniciativas dispersas, não partidárias, voltou às ruas, com uma bandeira específica - o "impeachment" de Dilma - e uma bandeira mais ampla "Fora Todos". Não precisou voltar com a mesma força para que o impeachment afinal se efetivasse. E, coerentemente, com a sua bandeira geral, é favorável hoje ao "Fora Temer", embora pouco se manifeste publicamente.

A sua manifestação de massa está na eleição de João Dória Jr, um esperto, competente e oportunista "néo político" que "montou no cavalo certo, no momento aparentemente certo". Com o apadrinhamento do Governador Alckmin, o mentor desse nova plumagem ou bico tucano.

O PSDB tem origem na centro-esquerda, unindo a democracia-cristã de Franco Montoro com a social - democracia de Mário Covas. Com o suporte intelectual e político de Fernando Henrique Cardoso.  Reunindo diversos militantes de esquerda, como José Serra, Aluysio Nunes Ferreira, José Aníbal, entre os mais evidentes. Dissentindo dos companheiros José Dirceu e outros que embarcaram e assumiram o barco petista, com Lula, na proa. Um histórica dissensão dentro da esquerda entre a social democracia e o socialismo. Inteiramente reconfigurado dentro da cultura brasileira. Mas que dominou amplamente a política brasileira nos últimos 30 anos. É uma era que está chegando ao fim. 2016 marca o grande domínio do PT. Mas o seu adversário também não é o mesmo.

O PSDB que emerge como suposto vitorioso é apenas o vencedor de um confronto decisivo, mas não de todo o campeonato.

O PSDB que se sairá melhor que o PT em 2016, não é a efetiva social democracia das suas origens. Alckmin não é um autêntico social-democrata. Como também João Dória Jr e João Leite não o são.

Mas poderiam representar uma nova social democracia, cujos contornos ainda não estão claros. Mas percebe-se que agrada ao eleitorado. Da mesma forma que a bandeira lulo-petista - com grande suporte financeiro - seduziu, no início do século, o eleitorado.

Enganam-se os que analisam 2016 como um tradicional embate entre os antigos PSDB e PT. Este último continua o mesmo. O PSDB não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…