Pular para o conteúdo principal

Cidades boas para morar: mas só para os incluidos

Agora em Quito haverá uma reunião mundial de urbanismo. A tônica será "uma cidade boa de se morar". Os urbanistas sem esmeram em propostas para que as pessoas possam morar bem ou melhor.
Só que as pessoas ou alvos dessa cidade melhor são os incluídos, os que tem alguma renda e possiblidade de opções dentro da cidade.
Uma das grandes questões é a mudança na tendência dos jovens que queriam ter um carro e agora já não dão tanta importância ao possuir. Se dão ao luxo de não querer ter um carro. Preferem morar em micro apartamentos, usar o Uber e circular de bicicleta.
Estaria havendo uma mudança na perspectiva do "pertenciamento".
Tendência que leva a animados urbanistas e ambientalistas a decretar a "morte do carro". Boas cidades serão cidades sem carro: cidade para as pessoas, segundo novo mantra.

São belas ideias, algumas já implantadas em cidades de países mais avançado, como algumas europeias. Tem um guru, cultuado pela tribo: Jan Gehl. Como um dos seguidores Fernando Haddad que compartilhando com essas idéias, acabou derrotado nas eleições de 2016.

Essas ideias são atrapalhadas pelos pobres. Que não compartilham das mesmas visões. E, acima de tudo, não tem renda para opções.

E, no caso das cidades europeias, o novo problema são os refugiados, seja da guerra ou da pobreza, que atrapalham os sonhos dos urbanistas e da classe média em ter uma cidade melhor para eles.

Com base nessa visão fragmentada os ingleses aprovaram o brexit. Agora uma grande parte está arrependida, porque os imigrantes não são bem recebidos, mas o capital também.

Numa enquete feita na periferia da cidade, uma mina respondeu "veja lá se vou namorar um mano que não tem carro?". A contrapartida do mano é que ele quer ter um carro para conquistar a mina. Diferentemente do "mauricinho" que não quer mais ter um carro, porque a "patricinha" - supostamente - não faz questão.

Uma cidade boa para os urbanista da classe média pode ser sem carro. Mas o sonho da classe pobre é ter carro: uma cidade para carros. Com vagas gratuitas para deixar o carro estacionado. Aqueles querem, no entanto, que esses só usem o transporte coletivo.

Essas transformações irão impactar fortemente o mercado de estacionamentos pagos.

As frotas de veículos tenderão a ficar estagnadas ou até regredir. Mas a utilização será mais intensa, com os veículos circulando mais e com menor tempos parados em estacionamentos.

Haverá uma demanda crescente por vagas em estacionamentos em vias públicas. Já os estacionamentos pagos poderão ter uma contenção de demanda.

Uma saída normal é a maior utilização de terrenos ainda vagos. Mas a Prefeitura não quer a utilização desses para estacionamento, segundo uma visão social, impraticável: substituir os terrenos usados como estacionamento para habitação social. Piora um problema e não resolve outro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…