quinta-feira, 26 de outubro de 2017

A agenda parlamentar

A agenda parlamentar será inteiramente comandada pelo próprio Congresso, com perda de iniciativa e protagonismo do Poder Executivo. 
Neste restante de ano, a pauta será tomada pela discussão do orçamento de 2018, com uma forte disputa por verbas, que terão impacto sobre o eleitorado de cada parlamentar. 
Nem o Governo terá poderes para defender o suposto interesse nacional. Cada qual tem a sua versão sobre o que seja esse interesse. Não terá nem mesmo condições de impedir ou coordenar a ação de lobby dos Ministérios junto aos parlamentares para melhorarem as suas verbas específicas. 
O orçamento de 2018 tomará todo o espaço da agenda econômica e da agenda legislativa em geral. Irão escapar algumas medidas pontuais, entre as quais algumas relevantes, pouco percebidas. Caberá ao Executivo, o controle, por eventuais vetos.
O Executivo perderá o poder da iniciativa, mas poderá manter ainda uma fatia do poder real e protagonismo, pelos vetos.


Será um exercício melancólico da Presidencia, como foram o quinto ano de Sarney ou o último ano de Cardoso. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...