segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Um novo ciclo de investimentos

Com a crise econômica geral e a fiscal em particular, houve uma redução generalizada dos investimentos, afetando mais profundamente os de infraestrutura, a cargo do Estado.
Está havendo uma retomada lenta da economia, porém os investimentos ainda demorarão. Há muita capacidade ociosa.

Com a absoluta escassez de recursos para investimentos públicos os novos empreendimentos em infraestrutura dependerão de aportes de recursos do setor privado.

 A alternativa que resta é das concessões comuns (ou plenas), com o investimento totalmente realizado pelo setor público e remuneração pela cobrança de tarifas dos usuários. Sem qualquer subsídio, essas tendem a ser elevadas, podendo reprimir a demanda.

O investimento público é movido pela existência de uma insuficiência de atendimento, também caracterizada como déficit. 

Para o investidor privado, déficit não é sinônimo de demanda. As pessoas querem uma eventual duplicação da rodovia, mas não estão dispostas a pagar o valor do pedágio. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...