Pular para o conteúdo principal

Uma realidade indesejada recorrente

O desabamento de uma obra de construção de uma loja de varejo, de uma rede local, com 8 mortos e vários feridos, alguns em estado grave, trouxe a tona um fenômeno em queda porém ainda recorrente e teimosamente persistente: a imigração de trabalhadores de outros estados para trabalhar na construção civil.
Esse fenômento foi o principal responsável pelo rápido e intenso crescimento da cidade de São Paulo e deixou como sequela o aumento da favelização. Estava em declínio porque as grandes construtoras foram abandonando a prática, pelos riscos legais e os impactos sociais.
Raras são as grandes construtoras que importam trabalhadores de outros estado e mantém alojamentos para eles. Qualquer pequeno deslize pode acabar sendo caracterizado como trabalho em condições similares à escravidão e gerar autuações, cujo prejuizo maior é à imagem.
A cobertura pela televisão mostrou a persistência do fenômeno, com todas as características usuais, só faltando identificar um elo fundamental: o "gato" que recrutou os primeiros trabalhadores no Maranhão e os trouxe para trabalhar naquela fatídica obra.
Depois dos primeiros vieram os parentes chamados por esses, pela existência do emprego. Quando termina a obra ou no final do ano, esses trabalhadores voltam às suas origens para a visita familiar e depois retornam à metropole na espera de novas oportunidades.
Enquanto estão trabalhando estão num alojamento. Quando estão sem o emprego vão para as favelas, esperando pela nova oportunidade.
O crescimento das favelas decorre dos ex-empregados e não de desempregados que vieram de fora na esperança de um primeiro emprego. A esperança é pelo segundo, terceiro ou ate´quarto, quinto emprego. Sempre com visitas à família no interregno ou trazendo a família.
E quem está empregado logo chama os parentes para ocupar as vagas que surgem. Por isso há sempre a formação de grupos familiares nas favelas.
As grandes construtoras deixaram ou reduziram a prática. Não formam mais alojamentos próximos aos seus grandes empreendimentos na região central. Mas a prática continua com pequenas e médias construtoras nas periferias da metrópole. Não por acaso ocorreu na Zona Leste Distante da cidade de São Paulo.
O primeiro momento da tragédia é procurar pelas vítimas, tentar resgatá-las com vida. Vencida essa etapa emerge em primeiro plano a busca dos responsáveis, já em andamento, porém em segundo plano. Poderá surgir ou não, pois há grande interesse em encobrir os processos corruptivos que levaram à ocorrência da tragédia. Os responsáveis se esmerarão em explicações inexplicáveis para tentar encobrir o que é obvio, porém "não contabilizado".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…