quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Confronto cada vez mais aberto

O confronto político está se acirrando, com as partes fixando as suas posições e não dispostas a abrir mão delas. 
De um lado a Presidente Dilma, refugiada no seu último bastião  inaugura o pouco que ainda lhe resta, para aparecer. 
Não quer cortar os seus programas e para isso quer um "aumentinho" de impostos.
E aproveita a aparição pública e a cobertura da mídia, para dizer que qualquer antecipação de término do mandato é golpe.

De outro lado FHC sai imediatamente afirmando que não é golpe, mas um movimento natural.

O Congresso, refletindo as manifestações da sociedade organizada não se mostra disposto a aprovar qualquer aumentinho de impostos, por menor que seja. Não antes que Dilma corte o que ela não quer, por menor que seja, também. 


Quanto mais ela persistir em querer aumentar os impostos, maior o aumento da pressão pela saída dela. Se ela não puder manter os seus programas, o que ela tem a fazer no Governo? Para que ficar? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...