sexta-feira, 11 de setembro de 2015

O pior é o empate

A crise brasileira entrou num impasse paralisante, por conta do empate entre as forças políticas.

De um lado a Presidente e o PT querem manter a sua política de uma forte e ampla atuação do Estado, preservando os programas sociais, tanto no aspecto financeiro, como de estrutura administrativa. Recusa e resiste em cortar os Ministros e ministérios para preservar os redutos petistas dentro do Governo, assim como as verbas dos programas sociais. Na falta de recursos, querem aumento de impostos.

Por outro lado o PMDB se posiciona terminantemente contra o aumento de impostos, sem antes ser promovido um grande corte, tanto com a redução do Ministério, como dos programas sociais. E quer assumir os postos chaves do Ministério mais enxuto, reduzindo o papel dos partidos menores que ainda dão um suporte, ainda que insuficiente, às pretensões petistas.


O Brasil só sairá da crise, com a quebra do empate entre as forças. 

A Presidente e o PT estão mais enfraquecidos, mas resistem e "não querem entregar o jogo". Tendem a perder, mas não desistem e prolongam a agonia.

O processo irá caminhar para uma "batalha sangrenta", com muitos conflitos e baixas que será o do impeachment ou a solução mais pacífica, que é o da renúncia da Presidente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...