segunda-feira, 21 de setembro de 2015

O fim das doações "compulsórias" das empresas para as campanhas eleitorais

 O primeiro teste da proibição do financiamento empresarial ocorrerá em 2016 com as eleições municipais em mais de 6.000 municípios brasileiros, a maioria de pequeno porte. Consequentemente o interesse empresarial junto às Prefeituras também é de pequenos valores.

Uma situação será das campanhas nas capitais e grandes cidades, onde há um orçamento substancial e também um elevado volume de atividades reguladas pelo Municipio. Mas o problema maior estará nos pequenos municipios.

Haverá uma diferença entre as campanhas majoritárias e as proporcionais.

Os candidatos a vereadores terão que buscar os seus pequenos colaboradores, no geral, pequenas e médias empresas de bairro, que tem interesses específicos, localizados, e precisam do apoio do vereador dentro da Câmara dos Vereadores, ou na relação do vereador com o Executivo Municipal.

Nessa captação prevalecerá o escambo, as reciprocidades e o caixa dois. Sem necessidade de grandes esquemas de lavagem de dinheiro. Serão como pequenas aeronaves voando abaixo da linha do radar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...