sexta-feira, 2 de março de 2018

Aceleração e frenagem do desenvolvimento

O resultado do PIB de 2017 indica que o desenvolvimento da economia brasileira foi acelerada pela agropecuária e freada pela construção civil. No conjunto é uma velocidade lenta.

A principal demora está na recuperação dos gastos familiares, tanto do consumo imediato, como dos investimentos.

O consumo de bens correntes já se recuperou, mas ainda não se forma sustentável. Mantém-se instável.
Já as aquisições de bens duráveis, incluindo os imóveis ainda estão em compasso de espera. Os gastos iniciais serão na reposição dos equipamentos domésticos e nos automóveis, cuja renovação foi adiada com a crise.

A principal diferença da recuperação atual com as anteriores é que os motivos da crise 2014-2016 foi a saturação do mercado interno, com a perda de eficácia dos mecanismos artificiais praticados pelos Governos para tentar sustentar a sua vitalidade. Gastaram mais do que podiam, mas apenas conseguiram fazê-lo sobreviver,

O mercado interno brasileiro, como está conformado atualmente, em fase de recuperação, mas ainda na UTI ou CTI, mantido por aparelhos, não terá condições de puxar o desenvolvimento econômico.

Isso só ocorrerá com a eventual incorporação de uma imensa população brasileira, estimada em cerca de 50 milhões de pessoas, com baixissimo poder aquisitivo, ao mercado de consumo. 

Foi com a incorporação de uma imensa população fora do mercado, ao mercado que a economia chinesa apresentou taxas de crescimento do seu PIB, perto de 10% ao ano. É dessa forma que a India vem crescendo a taxas em torno de 7% ao ano.

A receita está ai. A questão é como fazer, na prática. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...