segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Batalhas em campos diferentes


A soltura de Lula, muda substancialmente a dinâmica política, com batalhas entre as duas principais lideranças, em campos diferentes.
Jair Bolsonaro insistirá em comandar o seu exército nas redes sociais, buscando manter o apoio de um importante segmento da população: a opinião publicada, formada pelas comunicações e informações das redes sociais. O mecanismo montado para a sua campanha presidencial foi reforçado com mais recursos tecnológicos e financeiros, com um comando centralizado, dentro do Palácio do Planalto. É imbatível, diante da fraqueza ou intimidação dos mecanismos opositores. Alimenta os seus seguidores, com notícias – falsas ou verdadeiras – amplamente disseminadas e gera uma impressão de absoluto domínio do “povo”.
Não tem base para liderar os movimentos de rua e não parece disposto a ir a esses, mesmo organizadas pelos seus adeptos. A presença do público, nas manifestações da Avenida Paulista, no sábado, mostrou uma importante diferença. A convocação e mobilização feita pelo Vem pra Rua, que tem Carla Zambelli – bolsonarista de “quatro costados”, como líder teve um pequeno público diante do Museu de Arte. Não chegou a se encontrar com a outra manifestação, convocada pelo Movimento Brasil Livre – MBL, com base em frente à FIESP,  contra o STF, a favor de Sérgio Moro, mas independente de Bolsonaro, que lotou várias quadras da Avenida, na direção oposta ao outro movimento.
Lula vai para as ruas, promover articulações partidárias e avaliar a efetividade dos apoios populares.
Ambos vão assestar as suas baterias contra a mídia tradicional, principalmente contra a Rede Globo. Essas precisam de notícias para se sustentarem a briga é sempre notícia. Para se mostrarem imparciais darão espaço a cada um dos lados.
A corrida para 2022 é longa, uma verdadeira maratona. Quem sair correndo demais na largada, não terá fôlego para chegar ao fim. Lula saiu muito afoito.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Estratégias para o saneamento

O deficit de saneamento é um dos maiores problemas do Brasil, requerendo muito dinheiro, investimentos, inovação tecnológica e eficiência na...