segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Globalização e latinoamericanização


Globalização, na prática significa que as multinacionais tomaram conta de maior parte do comércio internacional, criando e gerenciando as cadeias produtivas dos industrializados. 


Essa historinha que se difunde que exportar não ocorre a curto prazo, que é preciso todo um trabalho de preparação, criar rede de comercialização, participar de feiras, etc, é para um mercado marginal, que seria em torno de 20% do comércio internacional de industrializados. Às empresas nacionais só restam nichos de mercado. 
As multinacionais não precisam de nada disso e estabelecem com os seus fornecedores suprimentos mundiais.

A visão predominante das multinacionais parece ser a do mercado sulamericano, com a implantação de plataformas de produção continental. 

Dentro das estratégias das multinacionais as plataformas sul americanas não estariam voltadas para o suprimento europeu ou mundial. 

A questão para o Brasil e para o Mercosul é negociar com a UE
as contrapartidas. As multinacionais européias ou instaladas na União Européia, acederiam em transferir produtos fabricados dentro do Mercosul para o mercado europeu? Em que condições?

A questão dos tratados e acordo comerciais não é de diplomacia entre países, mas de negociações com as multinacionais. O que para o Governo brasileiro atual é inconcebível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...