sábado, 3 de outubro de 2015

O novo "saudão"

A reforma ministerial dá origem ao futuro "saudão". 
Os gastos com a saúde pública são enormes e concentradas em compras, seja de medicamentos, de equipamentos ou de serviços. 
ordemlivre.org
É uma irresistível fonte de apropriação indébita, com a exigência de propinas dos fornecedores. 
O maior problema não é a propina em si. Mas são as compras desnecessárias, para gerar as margens para propinas. 
Vai se restabelecer a cultura da corrupção na saúde pública brasileira. Ou melhor vai recrudescer, porque aquela nunca deixou de existir.
Mas os escândalos não vão demorar a aparecer. 
A tentação é irresistível, para os propensos, mas a atenção da sociedade e da mídia hoje é maior. O risco ficou maior, mas não vão resistir a corrê-lo.

A razão política maior, no entanto para os políticos, é o "fura-fila". Com a precariedade dos atendimento e as constantes filas, a alternativa é buscar o apoio de um político para interceder por um atendimento antecipado. E esse atendimento significa votos.

A nova gestão da saúde corre o risco de priorizar os interesses fisiológicos e a saúde dos "seus" eleitores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...