quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Previdência: visões diferentes

A dificuldade de aprovação da reforma previdenciária decorre de visões distintas sobre a aposentadoria.

A mais significativa é a visão individual, o que tem forte efeito político, porque é a visão do eleitor. O eleitor é um indivíduo. Um conjunto de indivíduos elege um deputado federal. Um número maior de indivíduos elege um Senador e outro, maior ainda, elege o Presidente da República.

O politico que quer se eleger precisa atentar para as visões, interesses e desejos de cada um dos seus eleitores. E os eleitores, na sua maioria, são contra a reforma previdenciária.

E por que são contra?

Porque uma grande parte, se não a maioria, trabalha para poder se aposentar. O sonho de vida, o objeto de desejo é uma aposentadoria remunerada, sem ter que trabalhar.

Elas começam a trabalhar pensando na sua aposentadoria. O início do trabalho é o marco de uma contagem regressiva do tempo adicional que precisam trabalhar para poder se aposentar.

Para esse trabalhador, as condições para poder se aposentar, são as vigentes no momento em que ingressa no mercado de trabalho. E as incorpora como direito.

Para ele qualquer mudança nessas regras que piore as condições para obter a sua aposentadoria é percebida como uma retirada de direito. Ter que trabalhar mais anos para poder se aposentar: um absurdo! E ele é contra. E induz o deputado a votar contra. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...