Pular para o conteúdo principal

Onde estacionar o carro compartilhado

Você certamente já se deparou em São Paulo, como em outras cidades do mundo, com um estacionamento de rua de bicicletas. Patrocinado, principalmente, pelos bancos ou são abóboras, vermelhas ou azuis. 
Você se cadastra, pega a bicicleta num local e devolve em outro. Precisa sempre ter local para o estacionamento do veículo na origem e outro no destino.
Com o desenvolvimento tecnológico está emergindo o sistema de automóvel compartilhado, dentro da mesma lógica. O motorista pega o carro num local e devolve em outro. Um cartão - que pode ser o de crédito/débito com chip - ou outro elemento a informática lhe libera num posto, as portas e o acionamento dos motores. 
Você pode pegar um carro em local próximo à sua casa e o deixar em um local próximo ao seu destino. Que pode ser o de trabalho, de compra ou outra atividade urbana. No retorno pega o carro que estiver disponível no local onde devolveu o primeiro e o deixa próximo da sua residência.
Com o desenvolvimento dos carros auto-dirigíveis, ou seja, sem motorista, você não precisa nem ir pegar o carro. Chama o carro pelo seu smartphone e esse vai até onde vc está. Você mesmo pode dirigir o carro, ou deixar por conta da tecnologia que o leva até o local específico do seu destino. Você só paga pela locação.
É um futuro distante? Nem tanto. A primeira etapa já está funcionando no mundo e a GM já está testando em São Paulo. Por enquanto com os seus funcionários. 
A tecnologia facilita a utilização dos carros, muda a forma de posse. Vc não precisa mais ter um carro próprio. Sempre que precisar loca, sem ter necessidade de um espaço próprio para o seu veículo. Quando em condomínio, sempre motivo de conflitos. 
Duas questões tradicionais, no entanto, permanecem: os congestionamentos e os estacionamentos.
Esse novo modelo poderá reduzir as frotas de veículos, mas dará maior aproveitamento e aumentará a circulação. A melhor distribuição das rotas poderá mitigar inicialmente, mas logo, todos os caminhos serão conhecidos e utilizados. Os congestionamentos irão aumentar.
O motorista pode dispensar o carro próprio e a necessidade de vaga para o mesmo. Mas o veículo continua precisando de dois espaços: um na origem e outro no destino. O mesmo espaço poderá ser utilizado por mais de um veículo, mas esse continua sendo necessário.
Onde ficarão os estacionamentos para os carros compartilhados?
Uma primeira alternativa é a via pública. A Prefeitura poderá reservar áreas para o estacionamento dos carros compartilhados. Essas vão concorrer com os espaços destinados aos taxis. Mas poderão concorrer com os espaços de zona azul ou livres. Na primeira etapa do sistema essas áreas deverão estar dotadas de um "parquímetro". Na origem para a liberação do carro e no destino para o registro da entrega.
A segunda alternativa é da criação de estacionamentos próprios, dedicados exclusivamente aos carros compartilhados. 
A terceira é de compartilhamento com os estacionamentos pagos comuns. Poderão ser reservadas vagas para os carros compartilhados. Ou o motorista poderá parar em qualquer vaga disponível. Desde que associado a um equipamento. O novo usuário será informado pelo seu smartphone a disponibilidade do veículo dentro do estacionamento. 
Como toda inovação traz oportunidades e ameaças aos negócios estabelecidos.
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…