Pular para o conteúdo principal

Avenida Paulista: fechada ou aberta aos domingos?

Avenida Paulista: está fechada ou aberta aos domingos? 
Depende do ponto de vista e do usuário: para os motoristas fechada. Para os moradores que querem sair de carro, fechada. Para os ciclistas, aberta. Para os que querem passear na avenida, aberta.
Para os estacionamentos com entrada ou acesso pela Avenida Paulista, fechada. 
Os que acham que ela está fechada não gostam e muitos são contra. Os que acham que ela deve ficar aberta aos pedestres e ciclistas são a favor. 
A regulamentação da abertura/fechamento da Avenida Paulista nos domingos, por decreto do Prefeito Haddad, mais que um evento urbanístico é uma jogada de marketing político.
Uma das críticas feitas por alguns urbanistas é a escolha da Avenida Paulista, uma via com grande tráfego de veículos, para o programa de ruas abertas em vez de fazê-lo em outra via, mais ao centro. Na verdade já existe: o Minhocão é fechado para os carros nos domingos. Mas tem um movimento bem menor do que o da Avenida Paulista. E muito menos polêmica. Há uma aceitação quase total dos usuários, moradores e população em geral. 

Por que não abrir mais vias para o lazer, no centro da cidade, até como mecanismo de revitalização?

Por uma razão simples: não há mídia. Não dá visibilidade para a opinião publicada. E o Prefeito, como todo político está menos preocupado em atender melhor a população, do que ter a repercussão de seus atos na mídia. Na suposição de que essa exposição lhe dará mais votos. 

Certamente o Prefeito Haddad com a Avenida Paulista aberta aos domingos para o lazer ganhou alguns votos da opinião publicada, principalmente da classe média. Mas peredeu muitos votos da classe pobre que reivindica melhorias práticas no bairro onde mora. 

O discurso populista não se aplica apenas  sobre as classes de renda mais baixa, de pouca escolaridade e que não lê jornais ou revistas. O  conhecimento desses sobre a cidade pode se dar pela televisão, onde os noticiários são 90% de violência, acidentes e outras tragédias onde corre sangue. A sua preocupação é com as condições do mundo em que vive, o seu bairro, o trajeto ao local de trabalho, o bairro onde trabalha. Este só serve para uma comparação negativa de onde mora. 

O cidadão e eleitor que mora distante da Avenida Paulista  espera que o Prefeito o visite, conheça pessoalmente as condições de vida do seu entorno (o "habitat", no jargão dos urbanistas) e tome providências para melhorar. Pode até ficar na promessa, mas o eleitor fica mais confiante. E pode até votar nele.

Abrir ou fechar a Avenida Paulista não foi importante para a decisão da eleição, embora vá ser uma dos principais itens da pauta da midia com os candidatos. Por uma razão simples, tantos os jornalistas como os editores são predominantemente da classe média que é afetada emocionalmente pela questão. Aos domingos eles poderão se sentir "dono da Avenida". Agora a mais famosa da cidade, desbancando as tradicionais avenidas São João e Ipiranga, cada vez mais restrita aos sambas paulistas.

O que significa que o novo Prefeito, eleito predominantemente pelos votos da opinião não publicada, poderá manter a medida de abertura/fechamento da Avenida Paulista, não sendo um decreto, e até mesmo uma lei que vá garantir a sua permanência, nas próximas gestões. 

É um ato de vontade política, com o apoio maciço dos usuários, mas não de todos que votam. 

E o resultado poderá ser semelhante ao que acabou de ocorrer no Reino Unido. A opinião publicada estava maciçamente a favor de permanência, principalmente os jovens e os favoráveis à modernidade. Mas a opinião não publicada preferiu a tradição e aos sonhos de restabelecer o império britânico: "onde o sol nunca se punha". 

Diferentemente do Brasil em que a opinião não publicada é da população de renda mais baixa, esse segmento, embora educada e com renda, foi desprezada pela grande mídia. 

Essa volubilidade ou volatilidade da política gera insegurança aos negócios. E o resultado poderá ser a decadência econômica da Avenida Paulista, repetindo o que já ocorreu com o centro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…