quarta-feira, 15 de julho de 2015

Quem vai se candidatar em 2018?

Com a Operação Lava-Jato desmontando os esquemas tradicionais de financiamento das campanhas eleitorais, o cenário de 2018 dependerá da aprovação ou não do financiamento público.

Se esse não for aprovado, os candidatos e os partidos dependerão da captação de recursos difusos e ninguém está mais organizado nesse processo do que as Igrejas Evangélicas.

Elas já se anteciparão em 2016 com um preposto de grande popularidade em São Paulo: Celso Russomanno quebrando a eventual dicotomia petista Marta x Haddad.

E para 2018 esperam que Eduardo Cunha, se safe da Operação Lava Jato. Se não conseguir, pastor Marcos Feliciano ou pastor Everaldo estão prontos para assumir o espaço.

Edir Macedo é ou quer ser o Berlusconi brasileiro. Sem necessariamente aparecer em primeiro plano.

(ver o artigo completo acessível pela coluna artigos, do lado direito do blog).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...