quarta-feira, 29 de julho de 2015

Espirito animal do empresário: deixar de recolher os tributos

O Governo espera que com o ajuste fiscal o empresariado recupere a confiança e volte a investir e produzir. 
Quer provocar o seu "espírito animal".
Mas com a crise a sua primeira reação, diante da redução de vendas é postergar o pagamento dos tributos. A arrecadação cai mais que o esperado.
Com isso agrava a necessidade de ajuste e dá partida ao círculo vicioso, em vez do esperado círculo virtuoso.
Esse  movimento é provocado pela elevada taxa de juros. 
Se o empresário tiver que tomar um empréstimo bancário para cumprir as suas obrigações tributárias, preferirá deixar de pagar os tributos. Acha que fica mais barato, corre o risco e espera pelo Refis.
Esse é o verdadeiro instinto animal do empresário. Sobreviver não começa com produzir mais. Começa não pagando os pesados impostos que o Estado impõe ao contribuinte e ao consumidor.
(ver o texto estendido na coluna artigos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...