Pular para o conteúdo principal

Dil Mais do Mesmo

O povo quer mudanças. Está cansado com tudo que está ai. Mas muitos acreditam que Dilma é a pessoa que teria melhores condições de mudar. 
Provavelmente esse será o lema da campanha dela: "Mudar com Dilma" ou "Dilma para mudar".
O lema de contestação das oposições poderia ser "Dilma: mais do mesmo", ou simplificando com uma simplificação "Dil Mais do Mesmo".  
Dilma, com a sua personalidade forte, temperamento explosivo e plena de convicções mudará o seu estilo? Mudará a forma de conduzir o Governo? E, principalmente, mudará as suas prioridades e programas governamentais?

Dificilmente. Continuará sendo autoritária, centralizadora, gerenciando na base da bronca, intimidando os subordinados que preferem não fazer do que fazer o que ela não aceita. Eles se preparam mais para se explicar do que agir. Esse tem sido o resultado efetivo do seu modo de gerenciar.

Quanto ao Brasil ela dificilmente arredará pé do objetivo de tornar este país, menos desigual, com a eliminação da miséria, ascensão dos pobres à classe média e contenção dos ganhos dos mais ricos.

Ela conta com a gratidão dos mais pobres, com os benefícios proporcionados e sente-se injustiçada quando é vaiada. Coloca sempre a culpa em grupelhos patrocinados pela oposição, ou de insatisfeitos da abominável classe média. Ela, juntamente com Marilena Chaui, não consegue entender a maioria da classe média. Ela pertence a ela, mas à ala solidária, humanista e não à maioria reacionária que se recusa a distribuir as suas conquistas. 

Deve perder a eleição, deprimida com a ingratidão do povo brasileiro. 

Ela deu continuidade aos programas assistenciais de distribuição de bolsa-família, para acabar com os miseráveis, proporcionando indiretamente a ascensão de uma nova classe média. Deu maiores oportunidades aos pobres de terem acesso à casa própria. Vem eliminando - gradualmente - o déficit habitacional. Levou médicos aos grotões inteiramente desatendidos e muito mais. O que mais quer esse povo ingrato? Exatamente, quer mais. Mas mais o que?

Esse é o seu grande desafio. Incorporou a interpretação de que as manifestações populares resultam da busca pelo povo de um patamar acima de tudo o que o governo petista lhe proporcionou. E está convicta de que é ela quem tem as melhores condições para atender às reivindicações efetivamente populares. Acredita que a oposição só consegue ver às demandas da classe média, sem perceber as necessidades efetivas da maioria da população brasileira, ainda pobre.

Por isso ela não vai mudar. Ela acha que o povo quer mais e melhor do mesmo. Sem reinventar a roda. Quer uma roda melhor.

No entanto, as circunstâncias não são favoráveis. A prevalência da ideologia distributivista e nacionalista levou à uma perda de dinamismo da economia, movimentada pelos "abomináveis" e o retorno da carestia. 

Com a inflação o povo vê corroer as suas conquistas. Passou a ter maiores e melhores oportunidades, mas não consegue mais comprar que conseguia antes. Não importa o quando. É a sensação de que hoje está mais caro que ontem. Que hoje está pior do que ontem.

A carestia leva ao retrocesso e leva a menos do mesmo. Antes de avançar ela precisa proporcionar ao seu povo a reconquista do terreno perdido. Essa reconquista é o seu "calcanhar de Aquiles". 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…