Pular para o conteúdo principal

2016 vai repetir 2014?

Até começar a Copa do Mundo da FIFA, o Governo, as consultorias contratadas e os "especialistas" diziam que com o evento o PIB brasileiro iria "bombar", com crescimento adicional de 1,5 % só por conta daquele, além do "crescimento normal". Depois a Copa do Mundo passou a principal vilã do baixo crescimento.

O Brasil foi tomado pela euforia, quando escolhido para ser a sede da Copa da FIFA, ainda em 1997. E teve o repeteco com a escolha do Rio de Janeiro, como sede das Olimpiadas de 2016. Houve uma grande elevação da auto-estima e a sensação de que o mundo "se curvava ao Brasil" e reconhecia a sua importância.

Ao final de 2014, o ano da Copa do Mundo, a sensação é de frustração. Não só pela goleada sofrida contra a Alemanha, mas porque o legado da Copa é negativo: passou a ser visto como a responsável pelo baixo crescimento da economia, quando se esperava que ela fosse impulsionar a economia. 

As obras para a Copa atrasaram, mas não fizeram falta. A Copa foi usada para acelerar a sua contratação e execução, mas verificou-se que era um argumento falso. As que ficaram prontas, como o Terminal 3 de Guarulhos, mal foram usadas. A mobilidade urbana nas cidades da Copa não melhorou. Os prometidos metrôs e trens urbanos ainda não estão à disposição da população, para melhorar a sua locomoção diária. Há poucas exceções, para trechos parciais. A vida dos cidadãos nas sedes da Copa não melhorou. 

Mas nem tudo é ruim. Com os novos estádios - apelidados de arenas, o que não são - aumentou o público dos jogos de futebol. A audiência cresceu significativamente. Estamos tabulando os últimos dados que serão consolidados após a última rodada do Brasileirão. Mas os dados parciais já mostram o crescimento. As rendas também aumentaram, com elevação do ingresso médio. Bom de um lado, porque vai permitir a amortização dos investimentos feitos com os estádios. Ruim de outro porque significa um aumento generalizado dos valores dos ingressos. No jogo decisivo da Copa do Brasil havia ingressos avulsos a preço oficial de R$ 1.500,00.

Há uma efetiva elitização do público do futebol, saudado pela classe média, que pode voltar aos estádio com a família, filhos menores, com menos riscos de violência. A televisão não cansa de mostrar mocinhas e rapazes bonitos nas arquibancadas.

Por outro lado, o "povão" reclama dos ingressos populares,  com um piso de R$ 50,00. Mas continuam indo, proporcionando público e rendas recordes em Minas Gerais, Porto Alegre e principalmente em São Paulo.

Voltando às perspectivas de 2016. Os Governos vão acreditar e difundir mensagens otimistas estimando resultados fabulosos com a realização das Olimpiadas? Em Londres - 2012 ocorreu o fenômeno que se repetiu no Brasil com a Copa do Mundo. Caiu o turismo de negócios, que ocupa os hotéis e gasta mais e subiu um turismo mais popular, pernoitando fora dos hotéis e comendo nos restaurantes populares de R$ 1,00 ou nos quilões? Isso se repetirá em 2016?

O Rio de Janeiro vai ser invadido por mochileiros, como os que vieram para a Jornada Universal de Juventude, ou os hermanos caracois, trazendo a casa nas costas? 

Os caríssimos hotéis do Rio de Janeiro vão ficar lotados, ganhando muito, ou vão ficar ociosos? Quantos terão que fazer promoções de última hora para aumentar a ocupação dos seus leitos? 

Os comerciantes que acreditaram nas projeções do Governo, compraram muito dos chineses, acabaram ficando com estoques encalhados vão investir novamente, ou vão ficar retraidos?

Os empreendedores que acreditaram na propaganda otimista do SEBRAE e outras entidades, começando ou desenvolvendo negócios vão ousar a investir? Ou vão ficar retraidos?

Não haverá clima de otimismo e euforia antes das Olimpiadas. Mas como ocorreu com a Copa do Mundo, poderá haver um febre olímpica no período mais próximo e durante os Jogos, de muito entusiasmo e festa. Cada medalha conquistada pelo Brasil será saudada por muitos. Se for de ouro por multidões e fogos, como gols decisivos.

Os medalhistas dourados vão virar celebridades. E a sua cidade natal conhecida mundialmente. E depois? Qual será o legado?

O que pode ser feito antes para garantir um legado positivo?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…