Pular para o conteúdo principal

A cidade que o Haddad quer

A evolução da cidade de São Paulo, nos próximos anos, deverá ser segundo a cidade que o Prefeito Haddad quer. 
Toda vez que se pretende planejar a cidade o objetivo principal é formulado como "a cidade que queremos".
Não há unanimidade em relação a qual cidade cada morador quer. O que acaba prevalecendo é a cidade que os detentores do poder da ocasião querem, com o suporte nos técnicos que colocam as suas preferências.
Na tentativa de democratizar o processo o Governo Municipal de São Paulo promoveu uma série de audiência públicas, porém mais com o objetivo de "vender" a sua proposta e colher algumas sugestões, a maioria rejeitada.
Ao final o que prevalece é a cidade que o Prefeito quer, com algumas concessões e ajustes. 
É o que resulta do término da primeira fase de estabelecimento do novo modelo de crescimento da cidade de São Paulo, com a aprovação - em primeira discussão - do projeto de lei de revisão do Plano Diretor.

A oposição e os críticos resistiram mas acabaram sendo atropelados, incluindo uma pressão espúria de sem-teto para o atendimento de reivindicações pontuais, que pouco afetam o conjunto da cidade. 

A principal característica desse modelo é o adensamento verticalizado do entorno dos corredores de transporte coletivo, tanto das estações metro-ferroviárias, como dos corredores de ônibus. No restante construível do território da cidade prevalecerá a horizontalização ou a baixa verticalização da ocupação. Mesmo nos centros dos bairros a verticalização estará limitada a 8 andares.

Caso o mercado resolva seguir o modelo estabelecido, a cidade crescerá com um adensamento verticalizado, com edificios altos, com até 40 andares e com grande espaço entre eles. 

Esse modelo tem opositores que são contra a verticalização, porém foram derrotados. Também foram derrotados os que defendem a ultaverticalização, que levaria a ocupação por prédios com muito mais altura, chegando a centenas de andares, como já ocorre em outras cidades, no mundo, incluindo Shangai que seria a inspiração do Prefeito.

Haverá a verticalização "per no mucho". 

Esse modelo é complementado com a concepção de uso misto dos edifícios ou das áreas, de tal forma que as pessoas possam morar mais próximo do trabalho e vice-versa. E se tiverem que morar numa área e trabalhar em outra, se utilizem do transporte coletivo e não do carro.

Com isso haveria uma redução de congestionamentos nas rodovias urbanas. 

Para induzir mais ainda à utilização do transporte coletivo o modelo propõe a redução de vagas para estacionamento de carros.

São regras contraditórias para o mercado. Aos empreendedores imobiliários interessa a construção e oferta de residências ou salas em edifícios altos junto às estações metro-ferroviárias, porém um excesso de interesse pode inflacionar os valores dos terrenos e conter a expansão. O processo teria um surto inicial, mas depois entraria em estagnação, para só se retomado depois um intervalo - que pode ser longo - quando os preços se acomodarem num patamar mais baixo, ocorrendo sucessivos ciclos de surtos e estagnação. A elevada disponibilidade, por incluir também os corredores de ônibus, poderá mitigar o excesso de valorização imobiliária.


Por outro lado, a incógnita está do tamanho da demanda de imóveis com a baixa disponibilidade de vagas. Foi gerada uma impressão de uma demanda elevada, fazendo com que houvesse uma superoferta de microapartamentos compactos. Já houve um refluxo desse movimento.


Se o mercado encontrar soluções de equilíbrio dentro das regras estabelecidas, a cidade caminhará no sentido desejado pelo Prefeito Haddad. Caso contrário ficará no aguardo das Operações Urbanas com legislação específicas ou a novas revisões do Plano Diretor, onde ocorram maior flexibilidade.

Deve ser considerado, no entanto, que o mercado imobiliário não pode ficar no aguardo das novas legislações específicas e, ainda que em volumes menores, precisará dar continuidade às construções e ofertas imobiliárias. Que tipo de produto irão oferecer? 

Comentários

  1. Olá Jorge, meu nome é Anthony Ling e mantenho o site sobre urbanismo www.renderingfreedom.com. Assisti a sua entrevista no Urban View e acabei descobrindo o seu blog. Gostei bastante deste artigo sobre o Plano Diretor e gostaria de solicitar a sua autorização para repostá-lo no meu site, referenciando devidamente a sua autoria. Seria possível?

    Abraços e parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro. O seu comentário ficou no meio de tantos artigos que não lembro se respondi. Mas hoje o artigo foi acessado e o vi.
      Tem a autorização e agradeço o seu interesse. Abs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…