Pular para o conteúdo principal

Imagine na Copa!

O que vai acontecer durante a Copa do Mundo da FIFA?
Desde 2007 tenho dedicado algum tempo para imaginar as diversas situações que todos nós vamos enfrentar no Brasil, em junho julho deste ano, com a realização da Copa do Mundo.
O objetivo sempre foi o de informar e esclarecer a sociedade e, principalmente, as autoridades sobre o significado real desse evento e da necessidade de adequada preparação, uma vez aceito sediá-lo.

Insistimos em mostrar que a Copa é um fabuloso negócio mundial em que a FIFA ganha e todos os demais pagam.

E para isso a FIFA cria todo um conjunto de ilusões, de expectativas que podem não se efetivar. A maioria não vai ocorrer, exceto os seus lucros. Disso ela não abre mão, em nenhum momento.

É um dos maiores engodos mundiais. Um "grande golpe", mas legal. E leva as autoridades públicas a investirem grandes somas, embaladas com a promessa do "legado positivo". 

Pela primeira vez a sociedade hospedeira não "engoliu" inteiramente e foi às ruas mostrar a sua inaceitação. "Nunca antes no mundo". E, justamente, onde menos se esperava: no país do futebol.

Ao longo desse período arriscamos a diversas previsões. Erramos em várias, mas acertamos "em cheio" numa delas, agora confirmada por Jèrôme Valcker. 

A Copa iria acontecer, dentro do "jeitinho brasileiro" gerando muito sofrimento, angústia ao pessoal da FIFA.
Os brasileiros também, mas já acostumados com os atrasos, com o "deixar tudo para a última hora" e que nessa "se dá um jeito". 

Valcker hoje está mais conformado e afirmou que viveu o inferno com o Brasil e as suas autoridades. O seu sofrimento ainda não terminou. Ainda vai levar muitos sustos.

A FIFA vai sim, ganhar muitos bilhões de dólares, mas com "muito sangue". 

Reuni, revi, consolidei e atualizei vários dos escritos aqui neste blog e produzi um livreto eletrônico, um e-book, para um teste de modernidade.

Consegui colocar no ar, cerca de 50 dias antes do início da Copa e o teste mostrou bons aprendizados, com erros e acertos.

O primeiro é que o título do livro está errado: Vai ter Copa? Sim, vai e ai acabou o interesse. Não precisa comprar o livro, ou mesmo ler a sua parte inicial que é disponibilizado sem custo financeiro.

Percebi que devia ter adotado o outro bordão popular: "imagine na Copa". Na realidade o livro procura retratar as diversas situações que poderão ocorrer durante a Copa.

Poderia dar maior continuidade no interesse e atenção do leitor.

Como produção e publicação do livro foi fácil. Com pequenos percalços, mas com a ajuda da Cláudia Ricci, em menos de 20 dias, desde a decisão, o livro está à disposição na loja virtual da Amazon.

Animou-me a publicar outros mais. Ainda que todos com pequenas vendas.

A venda de e-book não é fácil. Menos por dificuldades operacionais e mais por razões culturais. Dá muito trabalho e receio na primeira vez.

É preciso fazer um cadastro na Amazon, indicar um cartão de crédito. Muitos ainda tem receio de passar essas informações e alguns já tem experiências mal sucedidas. 

Para quem já dispõe de um aparelho Kindle, já comprou um livro ou algum outro produto pela Amazon e não tem compras frustradas, é simples. 

Mas quem ainda não tem essa experiência, dá muito trabalho. Requer paciência. 

E para quem não tem kindle fica sempre a dúvida: dá para ler fora dele. 

Sim. O próprio sítio da Amazon tem os aplicativos de conversão, gratuitos. 

Os resultados efetivos ainda são baixos, mas vale como experiência. 

A sequência será um livro sobre "Os legados da Copa", posterior à realização do evento. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.