Pular para o conteúdo principal

As ilusões sobre o futuro das cidades

À mais de cinquenta anos no setor da consultoria de planejamento, participei de inúmeras ilusões sobre o futuro da(s) cidade(s) que nunca se concretizaram. O futuro dos planos de que participei ou acompanhei chegou várias vezes, sem ter alcançada a cidade que queriamos.
São reiteradas a cada ciclo de planejamento, com novas frustrações.

A razão principal está na perspectiva voluntarista em que cada qual sonha com a cidade que ele deseja e quer que os demais aceitem o que ele diz. Mas não necessariamente o que ele faz. 


O caso mais comum está relacionado com a mobilidade urbana. Quem tem carro quer que todos os outros deixem o carro em casa e utilizem o transporte coletivo. Mas não ele. 

Quando essa pessoa ganha o poder, o voluntarismo se torna autoritarismo. E acaba gerando mais distorções do que soluções.

A dinâmica da cidade não é linear, tampouco unitária e pacífica. Essa decorre de sucessivos confrontos entre visões e interesses.

Dois são os principais: o uso do espaço urbano para a movimentação e o desenvolvimento imobiliário.

O usuário e defensor do carro quer que o Poder Público disponibilize mais e melhores vias públicas de circulação, reduza ou elimine os gargalos, permitindo maior fluidez do fluxo de veículos.

Os oponentes ao carro querem reservar as vias públicas para o transporte coletivo, assim como destinar prioritariamente os recursos públicos para os sistemas de transporte coletivo.

Reclama-se da descontinuidade das ações governamentais nesta questão, o que é uma visão autoritária, ainda que baseada numa "ditadura esclarecida".

Como se trata de visões diferentes e até opostas, caracterizando-se como posições políticas a descontinuidade decorre da alternância do Poder, natural da democracia.

O problema está na hipocrisia política. Todos os políticos, quando candidatos discursam a favor do transporte coletivo, mas na prática continuam dando prioridade ao individual. Quando  resolvem por em prática a preferência pelo coletivo sofrem grandes resistências e oposições, como ocorre atualmente com o Prefeito de São Paulo. Perde prestígio, corre o risco de não ser reeleito  ou eleger o sucessor, dando lugar à oposição que não dará continuidade  aos seus projetos.

A dificuldade de solucionar o confronto é que no discurso político esse não existe. Como não existe no discurso do eleitor. Todos são a favor do transporte coletivo: para os outros, não para ele.

O outro confronto é o do desenvolvimento imobiliário. 

Os planejadores, as autoridades, a opinião publicada tem uma visão de melhoria imobiliária da sua cidade. Novos imóveis, novos edifícios, cada vez mais modernos e agora sustentáveis, propiciando melhores condições para morar, trabalhar, divertir-se, etc.

Uma cidade moderna, com maior oferta de serviços e comodidade. 

Esta cidade moderna tem custos maiores, mas gera maiores oportunidade de renda pessoal, para poder usufruir dessas novas ofertas.

Mas não para todos. 

O encarecimento é generalizado. Os benefícios não. Muitos ficam excluidos dos benefícios. Pior: são "expulsos" dos benefícios.

A expansão dos transportes coletivos é o caso mais típico. 

Os mais pobre ocupam áreas urbanas distantes do centro, sem o atendimento direto dos serviços de transporte coletivo. A inexistência desse é uma das razões que deprime o valor imobiliário das terras e viabiliza - do ponto de vista da renda - a sua ocupação pelas pessoas de menor renda.

Eles reivindicam o benefício desses serviços, com extensão de linhas, ou criação de novas, e quando essas chegam provocam uma valorização imobiliária que acaba por expulsar uma parte dos antigos moradores. Aqueles que viviam de moradia alugada, ficam se condições de pagar os novos valores e são obrigados a se deslocar para mais longe.

Mesmo os proprietários de imóveis, percebem a oportunidade de "fazer algum dinheirinho" e repassam o seu imóvel para irem buscar outro em áreas menos valorizadas.

O resultado é a expansão periférica, sempre vista como resultado da falta de planejamento. Mas, na realidade, resultado do planejamento. Resultado de uma ideologia dominante em relação ao desenvolvimento da cidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…