Pular para o conteúdo principal

Tentando explicar ou confundir mais

Há um novo processo de confronto social que a sociedade vê, é prejudicada, mas não consegue entender. A dificuldade é ampliada pelas autoridades que se recusam a mostrar para a população o que realmente está por trás de todo esse processo.

O novo processo sindical emergiu na greve dos garis, no Rio de Janeiro, quando o sindicato dos trabalhadores da categoria fez um acordo, mas os dissidentes promoveram uma greve que causou grandes transtornos. É um processo que afeta os serviços públicos.

A greve dos dissidentes tem um fundamento que é a conquista ou reconquista do poder no sindicato, por meio da próxima eleição, ou mesmo de "golpe" para destituir a direção atual.

Estrategicamente o objetivo é mostrar para a base que a direção atual é "pelega" se "acerta" com os patrões em vez de defender os legítimos interesses da classe. Fazem uma greve, não reconhecida oficialmente, e acabam conseguindo resultados melhores para os trabalhadores do que os obtidos pelo sindicato.

Ao fazerem a greve não comandada pelo sindicato fogem de eventuais determinações judiciais para manter um mínimo de serviços, sob pena de pesadas multas. Como essas multas são aplicadas ao sindicato, a dissidência busca provocar o enfraquecimento financeiro da gestão atual.

A direção sindical logo anuncia que a greve não é promovida pelo sindicato para fugir das multas.

O direito de greve é reconhecido, porém com algumas regras. As greves dos dissidentes não segue essas regras, sendo pois atos ilegais e em alguns casos criminosos.

Porém as autoridades tem evitado interferir nesses atos ilegais tratando-os como manifestações legítimas e legais. 

Acresce o fato de que as dissidências são, em geral, ligadas à CUT em oposição à direção eleita, que busca a desfiliação da CUT, como no caso atual dos motoristas e cobradores.

Cabe ao Governo Estadual, que controla as polícias civil e militar, reprimir os atos ilegais, mas este procura se livrar da responsabilidade jogando-a à Prefeitura Municipal. Espera quer ela peça e nesse jogo de empurra, por divergências políticas, os manifestantes "fazem a festa".

Este é apenas o primeiro dos impasses que permite que um grupo, ainda que minoritário consiga "parar a cidade".

Por trás dos dissidentes está o apoio do PCC que usa o terror para forçar a adesão dos demais motoristas e cobradores. Os piquetes foram substituidos por bandos de motoqueiros ameaçadores, seja de incendiar os ônibus ou de violência física contra os motoristas e seu familiares.

Ademais alguns motoristas e cobradores tem a esperança de conseguir uma van para trabalhar supostamente com mais independência e ganhos.E o mercado das vans é dominada pelo PCC.

A Polícia Militar paulista desenvolveu estratégias a ações para enfrentar os blackblocs mas ainda não aprendeu a enfrentar as facções criminosas que atuam nas manifestações populares e aos movimentos paredistas as dissidências sindicais.

A sua principal tática é fachar o trânsito das vias arteriais, com a colocação de ônibus em posição transversal, para bloquear a via  e "sumir com a chave".

A retirada requer o uso de guinchos, chaveiros e soldados ou mesmo oficiais aptos a manobrar os ônibus, retirando-os do local colocado como obstáculo.

Essa deveria ser a ação emergencial.

Com relação aos trabalhadores cabe uma distinção entre os que estão exercendo o legítimo direito de greve e os que estão agindo ilegalmente com perturbação da ordem. Esses podem ser detidos e caso flagrados em atos de destruição do patrimônio, presos.

A leniência das autoridades pelo despreparo em separar atos legais dos ilegais permite que pequenos grupos "parem a cidade".

Essas são as situações conhecidas e até agora identificadas. Já o papel das empresas ainda está no campo das suposições.

O que querem e qual a estratégia das empresas?

Presumivelmente querem o aumento das tarifas. O congelamento tem imposto uma perda de receitas, não suficientemente coberta pelos subsídios. Ademais os valores dos subsídios são inteiramente contabilizados, ou da receita direta cobrada dos passageiros, nem tanto.

Como a população tem ido às ruas contra o aumento das passagens o setor coloca-a diante de um dilema não explícito, porém concreto: ter o serviço ainda que com uma tarifa mais elevada ou ficar com uma tarifa baixa ou até gratuita (como querem os defensores do passe livre) mas sem os serviços?

A paralização dos motoristas é uma pressão para demonstrar a necessidade de ter uma tarifa adequada para manter os serviços. 

E usa-se o medo para disfarçar um "lock-out" que é proibido legalmente. 

Embora meras presunções os indícios são de que são elementos que estão debaixo do que é visível.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…