Pular para o conteúdo principal

Legado da Copa - o futebol brasileiro

Só uma pequena parte do futebol brasileiro é conhecida pela opinião publicada, porque tem ampla e permanente cobertura pela mídia: o futebol da elite que envolve cerca de 100 clubes profissionais que disputam as série A a D do Campeonato Brasileiro e os Campeonatos Estaduais e Regionais. Os que estão na série A e B tem cobertura nacional. Os demais apenas uma cobertura estadual, com raras aparições nacionais.

Todo o restante só é conhecido pelos praticantes, seus dirigentes e poucas testemunhas. São os adeptos e os torcedores que só aumentam quando enfrentam concorrentes tradicionais.

Clubes de cidades que tem dois times tende a ter mais torcedores do que daqueles com um único time importante.

Enquanto o time é amador, com os jogadores praticando o esporte por diversão e os custos são relativamente baixos e a sustentação econômica provém dos próprios jogadores ou de algum pequeno patrocinador.

Quando o time se torna profissional é preciso pagar os jogadores, os custos aumentam e é preciso buscar fontes de renda para a sua sustentação. Alguns conseguem o apoio de empresários, torcedores do time e com expectativa de levá-lo a disputas maiores e ingressar na elite do futebol brasileiro.

A sustentação econômica mais permanente fica na dependência das verbas de marketing de patrocinadores interessados em difundir a sua marca.

O valor da marca depende do público presente aos estádios e à cobertura televisiva. Ingressar na elite significa não só um prestígio futebolístico, como a melhoria da renda. Além da visibilidade, as emissoras de televisão pagam o direito de imagem. 

A renda da venda de ingressos só passa a ser significativa quando o clube chega ao topo da elite, ou seja, participa da série A do Brasileirão. Eventualmente pode ter renda significativa quando joga com um dos clubes considerados grandes e com grande torcida e prestígio que está na série B. Em 2013 foi o Palmeiras e em 2014 o Vasco da Gama.

Uma fonte importante de renda mas de ingresso aleatório é a receita da transferência de bons jogadores, seja diretamente como pelos direitos de formação, quando ele começou no clube e já está em clubes mais afamados e com mais recursos.

O principal problema dos clubes menores é a sazonalidade. Eles precisam disputar o campeonato estadual que é o caminho para ascender à série D do Brasileirão e a partir dai galgar sucessivas posições para poder chegar a série A. Depois é preciso se sustentar dentro dela. Muitos conseguiram subir, mas não sustentaram na série principal por muito tempo.

Depois de realizado o estadual, não estando nas competições do Brasileirão, não tem jogos oficiais. Muitos são obrigados a desmanchar o time, hibernar até começar a nova temporada. Os jogadores ficam sem jogos e sem salários, precisando buscar outras fontes de renda. O charme dos jogadores milionário é para poucos. 

A realização da Copa do Mundo da FIFA no Brasil poderá mudar esse quadro?

É o que defendem alguns grupos, como Bom Senso FC, vários cronistas esportivos e parece ser uma preocupação da Presidente da República que os tem chamado para buscar um caminho.

Uma primeira questão é a manutenção das atividades dos clubes fora da elite durante todo o ano, exceto o período obrigatório de férias.

Que campeonatos ou disputas inventar para manter o nível de atividades? A CBF inventou a Copa do Brasil, que ajuda mas não resolve.

Que outras disputas podem ser inventadas?








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…