Pular para o conteúdo principal

Quando e por que a sociedade se voltou contra a Copa

A sociedade brasileira ficou feliz e até eufórica com a escolha do Brasil como sede da Copa 2014, no final de 2007.

Em junho de 2013 explodiu uma reação popular levando milhares às ruas contra a Copa. Embora o estopim das manifestações tenha sido o aumento das tarifas do transporte coletivo o que ganhou proeminência e permaneceu como foco das manifestações subsequentes foi a Copa do Mundo.

O que levou o país do futebol a se virar contra a Copa? Ainda que os protestos não sejam contra a Copa, em si, mas aos gastos do país com a sua preparação, foi gerado um ambiente desfavorável à Copa.

No "país do futebol" a sociedade virou-se contra a competição máxima desse esporte.

Já nos referimos à sensação da sociedade sentir-se traída, acreditando nas fantasias criadas por Lula e perceber, ao longo do processo e do tempo, uma realidade inversa da prometida.

A Copa vai ser um sucesso, por conta da organização da FIFA, altamente profissional. A sua realização vai mobilizar grande parte da população brasileira, como da mundial, para acompanhar a disputa pelo trofeu. Apenas uns poucos irão às ruas ainda para protestar e alguns irão com o objetivo de criar tumultos para chamar atenção da mídia internacional.

O Brasil, com a sua seleção européia, tem possibilidade de alcançar o título, disputando com outras seleções européias, entre elas a Argentina: tão européia quanto o Brasil.

Considerando o cenário mais otimista que é seria a conquista do título pela seleção do Brasil, qual será o comportamento da sociedade brasileira no pós Copa?

Com a vitória essa sociedade levará mais em conta os aspectos positivos do que negativos, achará que valeu a pena e que Lula fez bem em trazer a Copa ao Brasil?

A resposta poderá estar nas urnas nas eleições de outubro. A Copa não influiria negativamente na disputa presidencial. Mas teria um efeito deletério aos Governadores que não conseguiram completar a tempo as obras de infraestrutura necessárias.

Passadas as eleições, pode-se supor que a organização da Copa será esquecida, a menos de alguma grande gafe da FIFA, o que é pouco provável.

Os atrasos nas obras terão repercussão regional ou local, perdendo a importância nacional. 

O que ficará na lembrança da sociedade brasileira será o resultado do Brasil em campo: restrita ao noticiário esportivo. O futebol retomará o seu papel usual dentro da cultura brasileira, mas com a formação de mais oponentes ativos.


Não caberão mais os protestos contra a Copa ou aos seus gastos, porém os anteriores deixarão um legado: a reivindicação pelo "padrão FIFA". 

No fundo, o que irá se reivindicar será um gasto público maior com saúde, com educação, com transporte coletivo e outros serviços públicos, para alcançar melhor qualidade. 

Se a FIFA exigiu e os Governos correram atrás para atendê-la, agora será o povo que irá às ruas para que seja atendido: será o "padrão Povo".

A população se mobilizará e irá às ruas para pedir o novo padrão para saúde, educação e outros?

Como reagirão as autoridades diante dessa nova realidade que começou no pré-Copa mas deverá se consolidar nos pós-Copa? 

Estaremos diante de uma nova sociedade? Uma sociedade não conformada com o que está ocorrendo? Uma sociedade não conformista?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…