Pular para o conteúdo principal

"Nóis vai" invadir o Itaquerão!!!

O único movimento social capaz de levar milhares de pessoas às ruas para reivindicar e aproveitar para protestar contra a Copa, ou aos seus gastos, é o movimento dos sem teto. Por que os seus adeptos tem uma situação concreta a resolver, e são milhares em diversos acampamentos na cidade de São Paulo.
Eles não são sem teto, mas com teto expulsos dos seus. Em decorrência dos aumentos dos alugueis promovidos pela valorização imobiliária. Particularmente em Itaquera nas proximidades do Itaquerão, onde os proprietários de imóveis aproveitando a euforia da Copa e as supostas perspectivas de uma elevada demanda imobiliária, subiram absurdamente os valores dos aluguéis.

É fácil e simples para as lideranças arregimentar e mobilizar os seus adeptos para irem às ruas. Não dependem da internet ou outros meios formais de convocação. É feito boca a boca dentro de um acampamento e pelo telefone celular para os demais. Quando o local de concentração e da passeata é longe do acampamento, usam o transporte coletivo. Não dependem de ônibus fretados, com os movimentos sindicais.

Saem com os próprios moradores e contam com a adesão dos simpatizantes, como ocorreu na passeata de quinta-feira última, dia 22 quando cerca de 20 mil pessoas marcharam pelas vias da região "nobre" da cidade.


Empolgado com o relativo sucesso da última passeata e dos apoios dos grupos anti-Copa, o líder mais conhecido do MTST ameaçou repetir as manifestações ao longo do mês de junho, já com a Copa em andamento. E teria mesmo ameaçado impedir o jogo de abertura, atacando o Itaquerão.

O primeiro é possível, embora seja difícil repetir a adesão da última quinta feira. Podem ser esperados pelo menos uma passeata por semana, nas regiões próximas aos seus acampamentos.

Já o segundo é uma bravata irresponsável. Não tem nenhuma condição de sucesso. Mas poderá causar alguma perturbação da ordem para comprometer a imagem do Brasil, perante o mundo.

Em primeiro lugar, o MTST só poderá contar com os seus próprios adeptos, pois os simpatizantes não estarão nas ruas. O dia de abertura da Copa  será feriado, já decretado oficialmente.

Além das lojas e escritórios fechados a maioria das pessoas ficará em casa para acompanhar o jogo pela televisão.

Por questão de segurança, a FIFA obriga a estabelecer uma zona de exclusão, onde só poderão entrar as pessoas com ingressos e a pé (como quer Lula). São quase 2 quilômetros de distância da arena. Os manifestantes não conseguirão furar a barreira, fortemente policiada, com apoio de retaguarda das forças armadas. 

E terão ainda que confrontar com as torcidas organizadas do Corinthians que irão aos locais para a defesa do seu patrimônio, a tão sonhada casa própria corintiana. 

A estratégia poderá ser a de provocar o confronto com a torcida corintiana para criar tumultos que impeçam a chegada dos torcedores. 

Com maior força numérica a segurança irá esperar o início do tumulto para agir com rigor. Em pouco tempo os manifestantes estarão presos e sem a perspectiva de soltura imediata porque o Judiciário também estará de folga e assistindo o jogo. Só serão soltos no dia seguinte, sem o direito de acompanhar o jogo pela televisão. Quantos vão aderir?

Poderão tentar uma ação de surpresa, na madrugada. Podem até despistar a polícia, mas não há a mínima possibilidade de qualquer movimentação popular que seja feita na Zona Leste sem que a torcida organizada fique sabendo imediatamente e vá proteger o seu patrimônio. 

O risco não é a invasão do Itaquerão, mas uma briga de paus, pedras, socos e pontapés entre grupos adversários. 

Não vão impedir a Copa. Nem vão conseguir ser atendidos nas suas reivindicações. Só vão macular um pouco mais a imagem externa do Brasil.

O objetivo real seria ameaçar as autoridades com  a cobertura da mídia internacional, presente para a abertura, "on line" dos tumultos. 
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…