Pular para o conteúdo principal

Copa ou saúde

Usar cerca de 26 bilhões que estão sendo destinados às obras para a Copa na saúde resolveria os problemas? 
Não se trataria da questão um ou outro, mas um e outro. Esse tem sido o argumento de muitos defensores dos gastos com a Copa, começando com o Ronaldão. 
Se os recursos fossem infinitos, evidentemente, não haveria necessidade de opção, podendo serem atendidas tanto as necessidades para a Copa, como para a saúde, como para educação, segurança, etc.
Como os recursos são escassos vamos partir da hipótese salomônica da divisão meio-a-meio:
R$ 13 bilhões seriam destinados para a Copa e outros treze para melhorar as condições dos hospitais e outros serviços básicos da saúde pública.
Essa metade seria suficiente para realizar a Copa? 

Uma aritmética simples diria que sim: os gastos específicos para a Copa seriam apenas os estádios, algumas obra de mobilidade urbana no entorno imediato do estádio e também relativos à segurança pública e outros serviços públicos genéricos, como energia e telecomunicações. Tudo o mais são gastos com infraestrutura pública que servirá à população em geral, constituindo-se em legados positivos. A sua realização para a Copa seria apenas uma antecipação do que teria que ser feito a qualquer momento. 
São obras imprescindíveis para melhorar a vida dos cidadãos durante muito tempo e não apenas durante um curto evento de grande porte.
Alguns resolveriam demandas já existentes e não atendidas. Outros estariam dimensionadas para atender a demandas futuras. As que teriam essa característica de grande antecipação foram excluidas da matriz de responsabilidades, como o monotrilho de Manaus ou o VLT de Brasília. A única exceção é o VLT de Cuiabá, que não ficará pronto para a Copa.

Somando-se a previsão, constante da matriz, de R$ 8 bilhões para os estádios (na prática será mais), os gastos com as estruturas temporárias, ainda não incluidas na referida matriz e algumas obras do entrono imediato dos estádios, pode-se dizer que os gastos com a Copa não passariam de R$ 10 bilhões, em relação aos quais se poderia discutir a opção de destiná-los à saúde.

Os bilhões que estão sendo gastos com as obras e equipamentos para a Copa geraram ou estão gerando milhares de empregos. Mas os mesmos bilhões, aplicados em obras de hospitais, postos de saúde e equipamentos poderiam gerar os mesmos volumes ou até mais de empregos.

De uma parte caberia perguntar: o que esses 10 bilhões resolveriam os problemas crônicos da saúde?

De outra parte cabe indagar: o que os gastos com aeroportos, mobilidade urbana e outros irão melhorar a vida dos cidadãos, conforme se prometeu e continua sendo alardeado?

Como isso poderá ser medido? 


No caso dos aeroportos, o principal medidor é o volume de passageiros-ano. De um lado se tem o volume ocorrido no passado e no presente e se estima a demanda futura. Essa confrontada com a capacidade estabelecida pelo projeto do aeroporto determina o nível quantitativo de atendimento.

Na mobilidade urbana, quando o investimento é num sistema de transporte coletivo o medido é o volume de passageiros transportados. Já no caso de obras viárias, o medidor seria o fluxo de veículos ou o tempo de viagem.

Qual foi a melhoria prometida e qual será o resultado efetivo?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…