terça-feira, 13 de maio de 2014

Copa ou saúde

Usar cerca de 26 bilhões que estão sendo destinados às obras para a Copa na saúde resolveria os problemas? 
Não se trataria da questão um ou outro, mas um e outro. Esse tem sido o argumento de muitos defensores dos gastos com a Copa, começando com o Ronaldão. 
Se os recursos fossem infinitos, evidentemente, não haveria necessidade de opção, podendo serem atendidas tanto as necessidades para a Copa, como para a saúde, como para educação, segurança, etc.
Como os recursos são escassos vamos partir da hipótese salomônica da divisão meio-a-meio:
R$ 13 bilhões seriam destinados para a Copa e outros treze para melhorar as condições dos hospitais e outros serviços básicos da saúde pública.
Essa metade seria suficiente para realizar a Copa? 

Uma aritmética simples diria que sim: os gastos específicos para a Copa seriam apenas os estádios, algumas obra de mobilidade urbana no entorno imediato do estádio e também relativos à segurança pública e outros serviços públicos genéricos, como energia e telecomunicações. Tudo o mais são gastos com infraestrutura pública que servirá à população em geral, constituindo-se em legados positivos. A sua realização para a Copa seria apenas uma antecipação do que teria que ser feito a qualquer momento. 
São obras imprescindíveis para melhorar a vida dos cidadãos durante muito tempo e não apenas durante um curto evento de grande porte.
Alguns resolveriam demandas já existentes e não atendidas. Outros estariam dimensionadas para atender a demandas futuras. As que teriam essa característica de grande antecipação foram excluidas da matriz de responsabilidades, como o monotrilho de Manaus ou o VLT de Brasília. A única exceção é o VLT de Cuiabá, que não ficará pronto para a Copa.

Somando-se a previsão, constante da matriz, de R$ 8 bilhões para os estádios (na prática será mais), os gastos com as estruturas temporárias, ainda não incluidas na referida matriz e algumas obras do entrono imediato dos estádios, pode-se dizer que os gastos com a Copa não passariam de R$ 10 bilhões, em relação aos quais se poderia discutir a opção de destiná-los à saúde.

Os bilhões que estão sendo gastos com as obras e equipamentos para a Copa geraram ou estão gerando milhares de empregos. Mas os mesmos bilhões, aplicados em obras de hospitais, postos de saúde e equipamentos poderiam gerar os mesmos volumes ou até mais de empregos.

De uma parte caberia perguntar: o que esses 10 bilhões resolveriam os problemas crônicos da saúde?

De outra parte cabe indagar: o que os gastos com aeroportos, mobilidade urbana e outros irão melhorar a vida dos cidadãos, conforme se prometeu e continua sendo alardeado?

Como isso poderá ser medido? 


No caso dos aeroportos, o principal medidor é o volume de passageiros-ano. De um lado se tem o volume ocorrido no passado e no presente e se estima a demanda futura. Essa confrontada com a capacidade estabelecida pelo projeto do aeroporto determina o nível quantitativo de atendimento.

Na mobilidade urbana, quando o investimento é num sistema de transporte coletivo o medido é o volume de passageiros transportados. Já no caso de obras viárias, o medidor seria o fluxo de veículos ou o tempo de viagem.

Qual foi a melhoria prometida e qual será o resultado efetivo?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...