Pular para o conteúdo principal

Bicicletas x carro

O Prefeito de São Paulo picado pelo mosquito transmissor do vírus da bicicleta quer implantar ciclovias no lugar de 40.000 vagas de estacionamento.

Ou ele é um fervoroso adepto do ciclismo como meio de transporte pessoal, como é por exemplo o vereador Police Neto, que defende a causa como um praticante, ou ele acha que os ciclistas são importantes eleitores. Ele tenta dizer que não é nada disso: seria uma visão de estadista, voltado para um futuro de longo prazo.

Tirar 40 mil vagas, incluindo muitos de Zona Azul, não é na periferia onde não há movimento, nem conflitos. Seria justamente nas áreas onde há maior demanda de destino das pessoas, seja para trabalho, como para compras. As vagas na via pública são essenciais para manter o dinamismo do comércio de rua. 

O seu objetivo, pelos seus discursos, não é favorecer os ciclistas, mas criar mais dificuldades aos motoristas, para que eles desistam de usar o carro. 

A teoria da conspiração diria que ele está mancomunado com os donos dos estacionamentos privados que ganhariam uma demanda adicional que, diante, das restrições de oferta - provocadas pela própria Prefeitura determinaria uma elevação adicional dos preços. O que, efetivamente, não interessa aos operadores.

Em defesa da sua idéia, usa o exemplo de cidades européias onde há um grande volume de ciclistas e de ciclovias. Seria para ele um exemplo de modernidade e de civilização. Pode ser do ponto de vista cultural, mas não econômico. A maioria dessas cidades está em decadência econômica. 

Por outro lado as cidades com maior nível de crescimento econômico, como são as chinesas, estão substituindo a bicicleta, a mais tradicional e amplo modo de deslocamento das pessoas pelo carro, gerando enormes congestionamentos. Shangai e não Amsterdam é o modelo atual de modernidade urbana. Dizer que os chineses estão retrocedendo quando abandonam a bicicleta para adotar o carro é uma contradição com o avanço de uma economia, prestes a se tornar a primeira do mundo.

Exemplos externos para justificar propostas, como soluções mais modernas, cada qual usa como quer.

A questão maior é: o que acontecerá com a cidade, se a proposta do Prefeito vingar?

O cenário - correspondente ao desejado pelo Prefeito - seria da substituição pelas pessoas do carro pela bicicleta. Primeiramente as pessoas procurariam morar perto do local de trabalho, das compras, dos restaurantes, do lazer. Para as atividades mais distantes usariam o transporte coletivo. 

Com isso se desenvolveriam polos com imóveis de uso misto, sendo Moema um caso típico. Nesse bairro há residências, lojas comerciais, restaurantes e agora começam a aumentar os escritórios e estará servida por uma linha de metrô. Moema poderia ser o paradigma do projeto de Haddad. 

Dentro desse paradigma o essencial é que as opções sejam feitas pelos empregadores que se manteriam ou se mudariam para o bairro, utilizando-se da bicicleta, sem o uso do carro. Os empregados sem maiores opções adotariam também a bicicleta.  Igualmente os clientes das lojas, restaurantes, academias de ginástica, escola, postos de saúde e outros serviços buscariam se deslocar de bicicleta, aproveitando as facilidades das ciclovias criadas pela Prefeitura.

O cenário oposto é que os empregadores não trocariam o carro pela "magrela" mudando-se do local, em busca de outras áreas ondem possam chegar e estacionar com o seu carro. Se não encontrarem tais condições no Municipio de São Paulo, se mudariam para municípios vizinhos ou até mais distantes. O mesmo fariam os clientes das lojas, restaurantes e serviços. 

A área deixaria de ter grandes congestionamentos, porque a demanda diminuiria consideravelmente. Os ciclistas poderiam pedalar tranquilamente nas ciclovias, sem enfrentar a concorrência dos carros. A poluição do ar cairia, com os moradores ou frequentadores vivendo num ambiente melhor. Só lhes faltariam emprego e, consequentemente, renda. 

Engrossariam as fileiras do MCSE: movimento dos ciclistas sem emprego. 

Essa é a percepção que um candidato a estadista deve ter para não torná-la um realidade, comprometendo o futuro da cidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…