Pular para o conteúdo principal

Sobraram oito e dezesseis

Dos 12 estádios em 12 cidades, 4 já estão fora da Copa. Não haverá mais jogos da Copa do Mundo da FIFA - 2014 em Manaus (Graças a Deus, dizem os jogadores e demais);Natal; Cuiabá e Curitiba. Nessas a população já começa a refletir se
valeu a pena. Em algumas cidades a invasão dos turistas estrangeiros deu a impressão de que sim. Mas só depois de terminada a Copa, toda, em 13 de julho, fazendo as contas se terá uma idéia mais precisa.

Em todas elas, as obras de mobilidade urbana não ficaram prontas. Em Manaus nem começaram. Em Natal as chuvas não ajudaram e as vias no entorno da arena ficaram alagadas. Em Cuiabá, com uma das maiores obras mantida na matriz de responsabilidades, nenhum trecho foi colocado em operação. Como foi feito em outras cidades só para inaugurações simbólicas.  Curitiba, com o maior leque de obras, não conseguiu completar as que deveriam ficar prontas antes da Copa. Foi um canteiro de obras inacabadas. Um grande receio é que terminada a Copa as obras sejam abandonadas. 

Junto com eles metade das seleções vindas para a Copa também deram adeus à Copa. 
Com muitas surpresas. A primeira foi a Espanha que não repetiu a perfomance de 2010. Eliminada já no segundo jogo, foi acompanhada pela Inglaterra e depois pela Itália. A maioria dos turistas desses paises que vieram seguir a sua seleção também já se foram, sem grandes alardes. Porém há ainda a permanência de muitos turistas de laranja dos holandeses e azuis dos franceses. Os alemães não tem um cor de destaque. O liso é branco e o colorido, colorido demais. 
Os norte-americanos e os australianos apareceram como os principais paises compradores de ingressos para a Copa. Os australianos não foram muito felizes e foram fazer companhia aos espanhóis na retirada antecipada. Os norte-americanos continuam fazendo barulho seguindo o seu lema "I belive" (eu acredito) e terão que vencer uma Bélgica que ainda não se mostrou. 
Na realidade, uma grande parte dos ingressos vendidos nos EUA foi para mexicanos que constituem e maior torcida estrangeira vinda ao Brasil por via aérea. Porém para tristeza da rede hoteleira eles fretaram um enorme navio de cruzeiro e cerca de 3,5 mil mexicanos estão hospedados nele. Tem uma difícil tarefa para permanecerem. Superar a Holanda.

A maior parte dos turistas estrangeiros no Brasil durante a Copa chegou via terrestre. Os argentinos e uruguaios já eram previstos, dada a proximidade e facilidade de acesso. Os chilenos foram uma surpresa, dispondo-se a vencer os Andes para chegar ao Brasil. Mas os colombianos chegaram em muito maior número do que o esperado.
Grande parte, senão a maioria desses turistas sulamericanos vieram sem ingresso. Alguns na esperança de encontrar um ingresso na última hora. Outros para viver o clima e apoiar a sua seleção. 

Nunca houve tantos latinoamericanos nas oitavas. Haverá alguns confrontos diretos, como Uruguai x Colômbia e Brasil x Chile.  Alguns já ficarão no meio do caminho, mas a maior esperança é dos argentinos que estão fazendo "bate-volta" e esperando sobras de ingressos dos torcedores de países eliminados. É, no entanto, o confronto mais dentro do previsível. Já os chilenos podem contar com a desistência de espanhois ou mesmo de holandeses menos otimistas que não contavam com o primeiro lugar (que ficaria com a Espanha) e teriam que enfrentar o Brasil. 

Nas oitavas ainda haverá um jogo em Porto Alegre e em Recife. Depois só restarão duas capitais nordestinas (Fortaleza e Salvador), que terminam, nas quartas  e 3 cidades do sudeste (Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo) e ainda Brasília. Na reta final ficarão apenas 4 seleções e 4 cidades. 

O que acontecerá com o turismo das cidades que forem ficando fora da Copa? Não haverá Copa durante o mês de férias de julho, nessas cidades, quando, normalmente há muitos turistas. Mas esses teriam sido afugentados por conta da Copa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…