Pular para o conteúdo principal

Os créditos pelo sucesso

A Copa do Mundo da FIFA 2014 no Brasil é - inegavelmente - um grande sucesso de público e, também, de crítica.

Depois da euforia pela escolha do Brasil, como sede, ainda em 2007, a má preparação da infraestrutura requerida para o evento, com a verificação de sucessivos atrasos nas obras, os protestos de rua gerou um temor com relação à sua realização.

Mas, iniciada a Copa em si, ou seja, o grande espetáculo com 64 jogos, apresentando os melhores jogadores do mundo, o clima mudou inteiramente. 

Em campo muitas surpresas, começando com a eliminação precoce da Espanha, campeã da edição anterior. Costa Rica, dada previamente como eliminada do Grupo da Morte, com a participação de três ex-campeãs do mundo acabou em primeiro no grupo, eliminando Itália e Inglaterra. 

Os grandes astros apareceram, com exceção do considerado ainda o melhor jogador do mundo. Messi e Neymar marcaram os gols vitais para as suas respectivas seleções, mas tem a companhia na artilharia de ilustres desconhecidos. 


Os torcedores lotaram os estádios, mesmo em alguns jogos de menor importância. O importante é viver o ambiente e o momento. Em junho de 2013 o povo foi às ruas para manifestações coletivas. Um ano depois vai aos estádios para manifestações organizadas. É só ver as fotos para identificar a mesma "elite branca". 

E muita gente ficou de fora. Não conseguiu comprar os ingressos, mesmo se dispondo a pagar caro e a alternativa foi ir para as "fan-fest" e bares.

Os turistas estrangeiros tomaram conta dos locais de encontro, nas cidades-sede, com muito alarde. Não foram nas cidades todas, mas em alguns lugares. A mídia foi também e mostrou para todo o mundo a aglomeração local, como se fosse o todo. Sempre foi assim.

Na mega cidade de São Paulo não se notam muitos grupos de turistas estrangeiros, a menos que se vá à noite na Vila Madalena. Ou nos dias de jogos no entorno do Itaquerão, ou no Vale do Anhangabau. 

Não importa. O que vale é a imagem. E essa é da "invasão estrangeira" tendo como contrapartida a enorme alegria e hospitalidade do povo brasileiro.

Os turistas que aqui vieram não vão levar na mala os estádios, as obras de mobilidade urbana, os aeroportos, mas vão levar boas lembranças e transmitir a impressão de que o Brasil é um bom lugar para vir, para visitar e para curtir.

Curtir é a maior novidade trazida pelas redes sociais. Uma expressão ainda pouco definida, mas traz em si um sentido de aceitação.

Há muito o que comentar sobre esse fenômeno de massa mundial, gerada pela Copa do Mundo. Que é aproveitada pela FIFA para faturar.

Não há tempo e espaço para todos, mas o fato real é que é a maior festa popular mundial. E a maior ocorrida até agora é no Brasil.

Dessa constatação emergem duas questões seguintes: 

o que acontecerá com quem queira se creditar pelo enorme sucesso do evento? 

Como o Brasil poderá se preparar para um eventual crescimento do fluxo turístico internacional, como consequência da imagem que está gerando para o mundo?

Quem irá à final da Copa, no Maracanã, no dia 13 de julho de 2014 é afirmar que é o responsável pela Copa das Copas, a maior festa popular do mundo ou o maior espetáculo da terra e ser aplaudido? Quem irá se arriscar a fazer esse discurso? Dilma, Lula, Blatter?

Todo crédito pelo sucesso da Copa é do povo brasileiro e ninguém pode pretender se apropriar dele, sem ser apupado por "apropriação indébita".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.