Pular para o conteúdo principal

Legados da Copa -Itaquera

Com a construção da Arena Corinthians, mais conhecida como Itaquerão, o bairro de Itaquera - pelo menos por 40 dias - será um local mundial. 
A visibilidade internacional trará turistas, moradores ou investimentos estrangeiros para o bairro? Provavelmente não.
Terminada a Copa, depois de algum tempo, será esquecido pela mídia internacional. A menos de eventuais reportagens especiais para saber o que aconteceu com o local da abertura da Copa 2014. 
A maior curiosidade internacional será averiguar se o estádio virou ou não um elefante branco.
O bairro não conta, a curto prazo, com atrativos adicionais capazes de trazer ou fixar em seu território pessoas ou capital estrangeiro. Dependerá do desenvolvimento prévio endógeno.

Já em termos municipais, a construção do estádio e a realização de 6 jogos da Copa do Mundo da FIFA de 2014, inclusive o da abertura, Itaquera poderá mudar a percepção popular sobre o bairro e promover uma grande transformação a médio prazo.

A imagem do bairro é de uma longínqua periferia pobre, o que é logo associada à violência. 

A curto prazo irá viver a ressaca da Copa. A perspectiva da sua realização provocou uma enorme especulação imoibliária com elevação dos preços de venda e locação das casas da região. Alguns embalados pela imaginação da invasão estrangeira na região promoveram uma locação por curto prazo por verdadeiros absurdos. E consta que alguns conseguiram alguns incautos. 

A bolha imobiliária que foi inflada com a perspectiva da Copa irá se esvaziar, podendo até mesmo estourar, com queda brusca do valores, pela frustração das expectativas de um grande surto de novos empreendimentos imobiliários, como ocorreu no Tatuapé.

Os jogos rotineiros do Corinthians no Itaquerão trarão os seus torcedores ricos que, presentes costumeiramente, podem perceber oportunidades de investimentos, vencendo os preconceitos. 

A maior dificuldade continuará sendo a logística ou a acessibilidade. Para os torcedores, em geral, o metrô será a melhor solução. Porém os decisores continuarão usando o seu carro e terão dificuldades de chegar até o local pela Radial Leste. Nos jogos durante a semana terão que enfrentar a concorrência dos que estão retornando às suas casas e nos domingos, com menos trânsito a sensação será de que é muito longe. 

A criação de um novo polo de escritórios só tem um paralelo que não se desenvolveu inteiramente: Conceição. Alphaville decorreu de um plano privado de urbanização,  numa área vazia, pouco valorizada mas beneficiada por uma nova rodovia e retificação do rio. Teve percalços, mas hoje é um novo polo metropolitano. A Chácara Santo Antonio, desenvolveu-se lenta e gradualmente junto a um bairro de classe média alta: a Granja Julieta, também favorecida pelo acesso à Marginal Pinheiros. O seu início foi a instalação do Centro de Processamento de Dados do Banco do Brasil. A Berrini, foi a ocupação de uma várzea como alternativa de extensão da Faria Lima, com muitas áreas vagas. 

Conceição foi um dos casos que mais se aproxima da situação de Itaquera. Era ocupada, antes da chegada do Metrô, densamente por casas de classe média baixa e também pela D e E, com poucos espaços vazios. Com a chegada do metrô, houve uma grande valorização imobiliária, resultando na expulsão dos moradores das classes mais baixas, das áreas mais próximas da estação e o lançamento de múltiplos empreendimentos imobiliários para a classe média, a maioria de empreendedores locais ou regionais. Junto á estação foram implantados três grandes empreendimentos, incentivados pela Prefeitura, mas não teve continuidade, com a saída do Prefeito Olavo Setúbal. O mercado imobiliário preferiu outras áreas.

Itaquera será mais conhecida por integrantes das classes mais altas, com capacidade de investimento. Será ela vista como oportunidade? Os indícios não são promissores, mas pode haver surpresas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…