sexta-feira, 4 de julho de 2014

A necessidade do herói

Para o entusiasmo e atenção da população a um esporte não basta o interesse por esse, mas é preciso um herói, uma personagem que chame atenção, seja uma atração, transforme-se numa celebridade.
Assim foi com o autombilismo com Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet, Ayrton Senna, todos grandes campeões carismáticos. Um outro que era um grande corredor, mas não tinha o mesmo carisma e morreu precocemente, só ganhou o nome do autódromo, mas poucos lembram: José Carlos Pacce. Agora com a má perfomance dos brasileiros que os sucederam, apesar de todo esforço da Global, a audiência e o interesse cairam. 
No tênis ocorreu o mesmo fenômeno, com Guga. 

Nos esportes coletivos o importante é a equipe, mas a mídia precisa endeusar um jogador ou o técnico, para ampliar o interesse popular.

Neste momento, na Copa, o primeiro escolhido é Neymar. Que tem a figura dominadora do pai que o obriga e aos demais a chamá-lo de Neymar Jr. 

Ele tem sido endeusado não apenas porque joga bem. Mas porque tem um carisma midiático. Porque se dispõe à exposição pública da sua imagem à exaustão.


O Brasil sempre teve no futebol uma figura midiática, dentro de um processo interativo entre o jogador e a mídia. Foi Pelé, foi Ronaldão. E o torcedor passa a ser visto como consumidor. Neymar aparece, é buscado pelas campanhas, é exposto porque vende. Ganha milhões, mas o seu patrocinador ganha muito mais.

Depois da Copa, vão chegar as Olimpiadas em 2016. Para manter o interesse do "respeitável público" é preciso endeusar os possíveis vencedores. Sem deuses e deusas o interesse da mídia é menor. 


Tudo passa a ser um negócio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...