Pular para o conteúdo principal

Brigas por vagas em condomínos

As brigas por vaga seriam o terceiro fator de conflitos nos condomínios.
Reportagem mostrada repetidamente pelo noticiário dá conta de um abalroamento proposital de um condômino no carro do seu vizinho que o havia deixado mal posicionado, em cima da faixa, dificultando as manobras do abalroador.

O que acontecerá nos condomínios com a redução de vagas prevista na nova lei do Plano Diretor? As pessoas deixarão de ter o carro, buscarão apartamentos em condomínios onde há maior disponibilidade de vagas ou aumentarão os conflitos pela escolha das vagas ou pelo seu uso?

As restrições se baseiam em um equívoco: o de que o aumento da frota elevam os congestionamentos. Aumento da frota não significa, necessariamente, maior circulação de veículo nas ruas.

Não adianta alimentar a ilusão de que, a curto e médio prazo, haverá redução da frota ou, uma redução da velocidade do aumento.

A indústria automobilística é ainda um dos mais importantes pilares da economia mundial e qualquer reestruturação do composição da produção só ocorrerá - se ocorrer - a longo prazo, com o desenvolvimento de novas alternativas de produção e de empregos. 

No Brasil, o Governo Federal mantém os benefícios ao setor, para sustentar o nível de empregos, já em queda. A indústria automobilistica precisa produzir e vender mais carros. As frotas irão aumentar em todas as metrópoles brasileiras.

As pessoas querem ter um carro. Hoje, para muitos, é mais importante do que ter a casa própria. Mas ter a posse do carro não significa que vá usá-lo cotidianamente.

Cada vez, mais pessoas - com menor renda - tem acesso ao carro, em função das condições de financiamento, mas não o usam todos os dias para o seu trajeto casa-trabalho-casa.

A principal razão é a dificuldade de estacionar, sem custos, na proximidade do seu destino, ou o elevado custo de estacionar em locais pagos.

Essas condições afetam também a classe média, que busca morar mais próximo dos seus locais de trabalho, em áreas de ocupação mais densa o que significa que terão maior dificuldade de encontrar uma vaga na via pública. Precisarão ter vagas dentro do seu condomínio, onde a oferta também será menor, diante da nova regulamentação definida no Plano Diretor. 

A sua alternativa será buscar áreas menos densas, onde possa ter mais alternativas de deixar o seu carro ou um dos seus carros na via pública.

Esse comportamento irá de encontro (ou seja contra) os objetivos do Plano Diretor que é o de adensar determinadas áreas da cidade, os eixos de transformação.

Os moradores nessas áreas tenderão a usar mais o transporte coletivo para os seus deslocamentos cotidianos, mas não dispensarão a posse de um ou mais carros. Para isso precisam de vagas para deixarem o seu carro parado enquanto trabalham. Mas querem usá-lo para as outras atividades urbanas, seja durante a semana, fora do horário comercial, nos finais de semana ou nas férias. Poucos serão os que dispensarão inteiramente o carro.

Para reduzir o volume de carros em circulação a solução não é restringir vagas, mas aumentar substancialmente o número de vagas privadas.

"Se o aumento da frota é inevitável, relaxe ..... e deixe o carro na garagem."



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…