Pular para o conteúdo principal

As sequências prováveis do Lava Jato

Após a prisão e depoimentos de empresários o processo (no sentido amplo e não jurídico) vai se desenvolver em várias frentes, entre elas:

  • o impacto sobre a Petrobras;
  • a situação das "empreiteiras" envolvidas;
  • o envolvimento dos ex-diretores da Petrobras, indicados pelos políticos;
  • o envolvimento dos políticos no Congresso;
  • o envolvimento do PT e, eventualmente de Lula e de Dilma;
  • o futuro dos dirigentes empresariais presos e a serem presos.
Começando pelo fim, os dirigentes perderam ou perderão o emprego. Não tem condições de permanecerem nos cargos, embora possam até voltar para ser moeda de negociação para salvar a empresa.

As empresas precisam manter os contratos e receber pelos serviços. Nem todas vão aguentar os atrasos de pagamentos e vão "pedir para sair". O problema maior é serem consideradas "inidôneas" e ficarem impedidas de contratar com o serviço público. A principal negociação delas será com a CGU e com o TCU. Há ainda o CADE, mas o julgamento dentro deste é mais lento.
Tanto na CGU, como no TCU já foi iniciado, com sucesso, o movimento para evitar a caracterização de inidoneidade. 
Com a CGU os dirigentes que não foram presos estão tentando um acordo de leniência. A menos de forte reação da sociedade civil, as empresas vão escapar e continuar sendo contratadas pelo serviço público. Uma ou outra empresa poderá ser punida, por irregularidade em contratos específicos e menores: em função de alguma delação premiada. As maiores, provavelmente, escaparão como empresas, mas seus dirigentes não. 

Entre os ex-diretores da Petrobras, Paulo Roberto Costa aceitou a delação premiada e já tem a sua posição definida. Acabará condenado, mas a penas mais brandas. 
Renato Duque, indicado pelo PT, diversamente de Paulo R Costa não operava direta e pessoalmente. Transacionava através do seu preposto, Pedro Barusco, que aceitou a delação premiada e, provavelmente, irá assumir toda responsabilidade para livrar o seu diretor e com isso todos os que estavam acima dele no esquema. Vai fazer o papel assumido por Delúbio Soares no mensalão. Já se propôs a devolver mais de 200 milhões de reais e vai alegar foram apropriados para benefício próprio e não para o seu diretor ou para partidos. Poderá dar certo ou não. Afinal é muita ambição pessoal. E quem lavou esse dinheiro todo? Só Yousseff? O que este contou a respeito?
Nestor Cerveró não escapará do processo da compra da Refinaria de Pasadena, mas tentará - com sucesso ou não - manter segredo sobre quem foram os reais beneficiados dos sobrepreços. Certamente não foi só o barão belga.
Agora mais um diretor, atualmente no cargo, foi envolvido e, no mínimo, terá que deixar o cargo. O mesmo acontecerá com Graças Foster que, embora não integrante da "quadrilha" não teve condições de tomar todas as providências para apurar os fatos, dando origem à recusa da auditora de assinar o parecer, sem ressalvas. Para restabelecer a confiança do mercado terá que sair. 


A sequência ansiosamente mais esperada é a relação dos políticos envolvidos, cujo cronograma foi antecipado em função da reforma ministerial. Os envolvidos não terão condições de assumir qualquer Ministério. Mas Dilma ainda tem a possibilidade de reservar alguns Ministérios a partidos e manter o Ministro atual como interino, até que saia a lista. Como o Ministro da Fazenda não faz parte do loteamento político, a sua escolha pode ser antecipada. O jogo para a escolha poderá tirar a operação "lava jato" ou "juizo final" das manchetes principais.

Ela poderá excluir o PP e, eventualmente, até o PR, mas não poderá excluir o PMDB. 

O meio político é o que está mais à beira de um ataque de nervos. 


Muitos vão ter que se retirar, mas não será o "fim do mundo". Serão substituídos e com a resiliência do Congresso tudo tenderá a voltar à "normalidade". Será uma troca de guarda. O que poderá mudar é a atuação da oposição que poderá adotar as estratégias petistas de fazer oposição, não deixando o Governo um segundo sequer sossegado. Mas sofrerá a oposição do PT que, como revide, procurará trazer nomes do PSDB, que estiveram ou estão nos Governos tucanos, principalmente em São Paulo, à lide. 

As grandes empreiteiras envolvidas no "petrolão" também tem vultosos contratos com o Governo de São Paulo e financiaram a campanha do PSDB. 

O jogo ainda não acabou e vai esquentar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…